21/02/2015

Da Noite - Ao Silêncio

"Quando os caminhos acabam, começa a viagem."
György Lukacs

20/02/2015

Frau Merkel e Herr Schauble vão inscrever-se num curso intensivo de dança tradicional grega...


19/02/2015

Merkel e Schauble - a manipulação, a mentira, e a austeridade como arma estratégica de humilhação, empobrecimento e roubo da Grécia e do sul da Europa

Recuemos a Março de 2012. Façamos memória. Esta é uma reportagem da televisão pública alemã sobre a crise na Grécia, sobre o dinheiro que foi de facto emprestado e sobre a história da carochinha que foi contada aos cidadãos germânicos.

Alemanha - continua a arrogância, a prepotência e a chantagem imperial...

Resultado de imagem para nobel da economia: o problema da europa não é a grécia, mas sim a alemanha

Ou a Europa consegue fazer frente ao IV reich financeiro alemão, ou terá de pensar em mudar de nome e contentar-se em ser um mosaico de protectorados e colónias de Merkel. Joseph Stiglitz tem bem clara a receita - a Europa só é possível sem a Alemanha. Merkel é como um eucalípto que seca tudo à sua volta e, o povo grego, que aprendeu à base de sofrimento e humilhação, levantou-se e deu o exemplo, castigando os corruptos a soldo da Nova Democracia e do Pasok, votando em quem faz frente aos "PIGS" neo-liberais insolidários do norte. Há-de seguir-se a Espanha, a França, a Itália e outros,  mas até lá, este cancro germânico continuará a minar a saúde do velho continente. Não passarão!

Alemanha rejeita proposta da Grécia para extensão do empréstimo

Europa em mudança...

Resultado de imagem para hollande e merkel
Na França, Merkel governa por decreto, e os austeritários já nem nas formas respeitam a democracia. O representante dos interesses alemães em França, François Hollande, é o maior "bluff" que alguma vez chegou ao Eliseu, fazendo tudo para colocar Paris de cócoras perante Berlin, num claro desprezo pela história, e desrespeito pelos princípios da Fraternidade e Igualdade de que a França foi baluarte.

Moção de censura ao Governo francês serve para confirmar reformas por decreto

18/02/2015

"Juncker admite que a troika atentou contra a dignidade da Grécia, Portugal e Irlanda"

Juncker y Tsipras en una foto de archivo. REUTERS
Atentou e continua. E vir agora com palavrinhas mansas não resolve o mal causado, quando vemos que os abusos e a chantagem continuam. Refere ainda Juncker que "a troika é pouco democrática e que lhe falta legitimidade", o que mostra o desprezo dos burocratas europeus pelos povos, visto não ser nada democrática exactamente porque não tem nenhuma legitimidade. Entretanto, a swap girl do governo de gestão dos interesses alemães em Portugal, Maria Luís Albuquerque, foi à Alemanha prestar contas ao patrão Schäuble, de quem recebeu elogios pelos bons serviços prestados e que disse que "Portugal é a melhor prova" de que os programas de ajustamento funcionam, quando há "tanta discussão" sobre a eficácia dos ajustamentos associados à assistência financeira. Claro que os chamados programas de ajustamento funcionam, funcionam excelentemente para a banca e os interesses alemães, e pessimamente para a vida dos portugueses, dos gregos, e de todos os povos que caiam nas garras de Angela Merkel. É por tudo isto que se reveste de excepcional importância a solidariedade com a Grécia, por lhes fazer frente e não tolerar a chantagem, apesar dos porta-vozes  com que o império conta nas colónias denominadas com o eufemismo de União Europeia, como é  caso do "génio da banalidade", agora transformado em eco de Passos Coelho, essa espécie de "Miguel de Vasconcelos" germânico...    

16/02/2015

Wolfgang Schäuble e Karlheinz Schreiber, a superioridade moral alemã...

Que um ministro alemão defenda os interesses do seu país. é legitimo. Que o mesmo ministro tenha o descaramento de insultar o povo grego, porque  democraticamente elegeu um governo que defende o povo que o votou e não os interesses do ministro alemão, é o cúmulo da arrogância autoritária e da ética podre dos "intocáveis corruptos" do norte, quando alguém lhes faz frente e questiona a legitimidade das suas políticas. Porque é de política que se trata, e do exercício da política sobre a ditadura do pensamento único, que a quer fazer refém perpétua dos interesses económico-financeiros dos amos do mundo. Outra Europa é possível  e é isso que os alemães mais temem, que os cidadãos europeus acordem e lhe degolem a galinha dos ovos de ouro, porque são eles os que mais beneficiam do austericídio que têm imposto aos povos do sul. Que na Europa as coisas nunca mais serão como antes, está à vista depois da vitória eleitoral do Syriza, e do apoio popular de que goza e que tem vindo a aumentar depois das primeiras acções do novo governo; mas também se intui devido ao nervosismo de Angela Merkel, ao permitir que seja o seu ministro eticamente mais vulnerável, Wolfgang Schäuble, partícipe directo da trama de corrupção e financiamento ilegal da CDU ao relacionar-se e receber milhares de dólares do traficante de armas e outras "artes" Karlheinz Scheiber, a capitanear o contra-ataque e a continuação da chantagem. A Grécia é, neste momento, a esperança e a única garantia para demonstrar que o mais importante para a Europa não é resgatar bancos nem os interesses financeiros de umas quantas multinacionais ou agiotas, mas resgatar a dignidade e as pessoas, os valores humanistas e sociais  para colocar ao serviço das maiorias, que vivem hoje abaixo do limiar da pobreza.

         

14/02/2015

Varoufakis foi simpático..,

...talvez para não ferir a sensibilidade germânica, se é que a têm, porque se quisesse ser cáustico com os "anfitriões" do Der Spiegel, poderia fazer a comparação das técnicas da troika com os crimes do nazismo alemão, aproximando-se mais da realidade e daquilo que os Gregos tanto sofreram. Todos os actos de tortura são crimes contra a Humanidade e não há crimes melhores ou piores, mas enquanto a tortura da CIA é  selectiva, abrangendo portanto um número mais reduzido de seres humanos, os campos de concentração de trabalhos forçados e de extermínio, com as suas câmaras de gás, as Waffen SS e a Wehrmacht, foram os instrumentos de morte que Hitler usou para o genocídio e a destruição. A troika não mata com metralhadoras, liquida a esperança e a dignidade de milhões de seres humanos utilizando a austeridade como arma, provocando um autêntico genocídio social, cujos efeitos vão necessitar décadas para sarar. Está nas mãos da cidadania europeia corrigir os erros criminosos das suas elites dirigentes, tentando construir uma União Europeia dos povos, democrática e pacífica. Caso contrário, é bem possível que Angela Merkel consiga com os seus bancos, com o poder do dinheiro e as suas máfias, o que o seu compatriota Adolf Hitler não conseguiu com as armas - um IV reich a dominar todo o continente, sem cidadãos mas com milhões de servos...

Varoufakis compara técnicas da troika a torturas da CIA

12/02/2015

Brigada de Intervenção - Uf!, até que enfim...

Por fim uma autêntica Brigada de Intervenção... Quanto tempo ainda teremos de esperar para ver o resto da quadrilha em Évora? Tendo em conta que o Cavaquistão é a pátria onde a culpa sempre morre  solteira, é bem possível que tenhamos que esperar sentados... Mas, a ser assim, que seja com umas boas gargalhadas, pelo menos...

10/02/2015

Com a Grécia para construir a Europa dos Povos


Obrigado Grécia, obrigado Syriza...

Hora do conto, para exercitar a memória...

Tiram-te a indústria, a agricultura e as pescas, depois é o que se vê...