25/07/2013

25 de Xullo, Dia da Pátria Galega

"Estamos fartos de saber que o pobo galego fala un idioma de seu, fillo do latín, irmán do castelán e pai do português. Idioma apto e axeitado para ser vehículo dunha cultura moderna e co que aínda podemos comunicarnos con máis de sesenta millóns de almas.
O galego foi instrumento maravilloso da grande e única poesia lírica de Hispania e nel escribían os enxeños peninsulares - tanto de dentro como de fóra de Galiza - (...)
A esta fala popular, viva e gloriosa, os imperialistas chámanlle dialecto. Mais eu pergúntolles: "Dialecto de que idioma? Do que vós chamades español?". De ningunha maneira, porque o idioma que vós impuxéchedes pola forza é un irmán menor do galego. Acaso queredes decir que é dialecto do latín? Pois entón chamádelle dialecto ao francês, ao italián, ao rumano, porque tamén son fillos do latín e irmáns do galego."
(Afonso Daniel Rodriguez Castelao - Sempre en Galiza)

21/07/2013

Crise? Qual crise? - E como recordar é viver (dizem), vamos lá sentir-nos vivos...

No Cavaquistão existe a convicção de que a crise é uma invenção dos portugueses, povo tradicionalmente propício para pieguices e choradinhos, coisas do fado...
... Os cavaquistaneses vivem como deus manda, sem motivos de queixa...

Repetição de cenas anteriores, como introdução ao 2.º acto da ópera bufa...

O Silva fala, fala, ninguém o vê fazer nada,  mas olho!, ele lá vai fazendo o que sabe, em proveito dele...

20/07/2013

Fim do 1.º capítulo...

Qualquer semelhança com a realidade não é coincidência  
Pede-se desculpa por esta interrupção.
O programa segue dentro de momentos.

19/07/2013

Tributo ao Zeca

E como há mais vida para além da austeridade, vamos homenagear o Zeca, vamos grandolar a troika, vamos animar a luta!  

"Quem és tu, romeiro?" - na volta de Alcácer Quibir - "Ninguém!", disse o bobo...

Espectáculo patrocinado por um palhaço rico, amante de safáris ornitológicos, accionista de sucesso do BIC/BPN:
«Quer haja, quer não haja acordo, o verdadeiro perdedor será sempre o PS.» , primeira frase dum texto de Pacheco Pereira - um dos três ou quatro sociais democratas  a sério que existem no PSD, e que vê mais com um olho do que o bobo com três. O resto do texto pode ser lido aqui.

17/07/2013

Sem papas na língua

Verdades nuas e cruas...

"Vivemos no melhor dos mundos" - Decreta-se o fim da crise!

Agora sim, tudo normalizado. Consensual. O PS, como partido troikista que é - embora durante uns tempos tenha andado a disfarçar -, juntou-se ao PSD e ao CDS, como tem que ser. A UGT como central do poder, com os patrões e o governo, como deve de ser. E os resultados já se notam. Já se vê o crescimento económico ao virar da esquina; milhares de postos de trabalho e o desemprego a desaparecer; o BIC/BPN a devolver o dinheiro que o PS e o PSD/CDS retiraram aos cidadãos nacionais para "salvar” o banco do Cavaquistão; o BANIF a tornar-se a empresa bancária mais poderosa do mundo e a não precisar mais do dinheiro dos contribuintes; as instituições financeiras internacionais a pedirem conselhos aos sábios economistas austeritários lusos; os banqueiros a baixarem os lucros e a tornarem-se solidários com os reformados e pensionistas; o Relvas a estudar para acabar legalmente a licenciatura; o Dias Loureiro a entregar-se voluntariamente à justiça (?) para ser julgado; os juízes a encherem as cadeias de corruptos; o Paulo Irrevogável Troca-Tintas a ser nomeado para nobel da (in) dignidade e (in) coerência; o Passos Coelho a inscrever-se num curso de Verão de Canto Lírico e a fazer-se sócio duma IPSS de protecção e defesa dos animais; o Gaspar a receber o prémio europeu de melhor contabilista do confisco; o Seguro a ganhar a prova de meia distância “apanha-se mais depressa um demagogo mentiroso do que um coxo”; o Sócrates a tornar-se  autor de best sellers com a obra intitulada “Narrativas Apócrifas”; o Manuel Alegre a jurar – e a querer acreditar - que o PS é um partido de esquerda, diferente do PSD por causa da sua história; o Anibal Silva a ser canonizado e a competir em santidade com a sua “patrona”, a virgem de Fátima, mas sempre de acordo com as regras da livre concorrência; a Fátima Campos Ferreira a ser a eleita para a primeira entrevista ao novo santo; o Marcelo Rebelo de Sousa convidado para substituir a Oprah Winfrey no talk show da TV americana, por ser o único capaz de fazer subir as audiências; o Marques Mesdes que cresceu quinze centímetros devido a negligência médica, mas que num acto de boa vontade já disse que não vai processar o cirurgião porque errar é humano; a Merkel a coçar a barriga de contente, e a pensar pedir a nacionalidade portuguesa para se candidatar à presidência da República; Portugal a ser o primeiro país a mandar cosmonautas a Júpiter; os incendiários a controlarem os incêndios. Por outras palavras, dizem: “Vivemos no melhor dos mundos” - Decreta-se o fim da crise! Tudo pela salvação (?) nacional, oremos aos MERCADOS*...
(*Ficam isentos destas orações os ateus, os agnósticos e pessoas que professem outras religiões  que assim o desejem.)

Dívida pública atinge os 127,1% do PIB até março

13/07/2013

A novela continua...

Depois do inquilino de Belém ter a peregrina ideia de juntar os três incendiários troikistas nacionais - PS, PSD e CDS - para apagar o fogo, que é o mesmo que esperar que os lobos se tornem vegetarianos, só falta saber quanto tempo vai ser necessário esperar, para vermos cair a máscara do Tó Zé.

11/07/2013

A legitimidade Popular não tem que se vergar aos caprichos de quem se alimenta à custa do Povo.

O Povo é quem mais ordena
Ficamos a saber que a presidente da Assembleia da República leu Simone de Beauvoir. Mas  interpretou-a mal, porque os carrascos a que Simone de Beauvoir se refere, não se encontram no seio do Povo que reivindica dignidade, emana da elite do poder que oprime o mesmo Povo, enchendo a boca duma legitimidade eleitoral, que tem como base a mentira.      
"Querer-se livre é também querer livres os outros."
(Simone de Beauvoir)

No reino do nevoeiro, há um rei muito foleiro...

(...................................................................)
1.ª FEITICEIRA
Quando nos tornaremos a encontrar, todas três, assim com um tempo destes, no meio dos trovões e dos relâmpagos ou sob a chuva?

2.ª FEITICEIRA
Quando a trovoada da batalha, perdida ou ganha, acabar também.

3.ª FEITICEIRA
Isso há-de realizar-se antes do pôr do sol (?)
(................................................................)
TODAS TRÊS
Somos muito irmãs as três feiticeiras,
da terra e do mar fatais mensageiras.
E dadas as mãos, giremos assim:
Três voltas por ti, três voltas por mim,
ao dar outras três, só nove haverá.
Silêncio! O encanto pronto estará.
(................................................................)
MACBETH
Nunca vi um dia como este, tão belo e tão horrível conjuntamente.
(Excertos do 1.º acto de "Macbeth", de William Shakespeare)




10/07/2013

O homem da fisga "botou" faladura...

Perguntando a Lao-Tsé o que pensava ser o mais urgente a reconstruir, o sábio respondeu sem hesitar: «é encontrar o verdadeiro sentido das palavras.» (pensamento chinês)

Mas esta foi a  resposta de Lao-Tsé, que não consta que fosse accionista do BPN, era honesto, e sábio. Que responderia um "génio da banalidade"?
«A banca. Mercados. A troika. Mercados. Os bancos. Mercados.» 

A austeridade é a arma para a imposição do nazismo do séc. XXI

 Ler, reflectir, lutar contra a indiferença

Primeira mão: constituições antifascistas da periferia do Euro são um empecilho, diz JP Morgan



"Primeiro levaram os comunistas,
Mas eu não me importei
Porque não era nada comigo.
Em seguida levaram alguns operários,
Mas a mim não me afectou
Porque eu não sou operário.
Depois prenderam os sindicalistas,
Mas eu não me incomodei
Porque nunca fui sindicalista.
 A seguir chegou a vez
De alguns padres, mas como
Nunca fui religioso, também não liguei.
Agora levaram-me a mim
E quando percebi,
Já era tarde.
(Bertolt Brecht)


_______________

08/07/2013

"Os donos do mundo" - 9 minutos e 50 segundos para ajudar a despertar...

Da Justiça - ou da falta dela...

Enquanto por cá a culpa morre quase sempre solteira, o que faz da "Justiça" um simples mas excessivo eufemismo, na China a culpa tem preço e muitas vezes paga-se com a vida, paga-se com um excesso, quer dizer: ao crime responde-se com outro crime. Do que carecemos mesmo, tanto lá como cá, é de "Justiça".

BPN/SLN o buraco negro do dinheiro dos portugueses. O ninho dos corruptos

Se o Presidente de Belém viabilizar o governo de PITT - Paulo Irrevogável Troca-Tintas - o país continuará a afundar-se e, se os portugueses não puserem termo a esta palhaçada, terão como "destino" o reino das "trevas" durante muito tempo...

O 2.º resgate já está a ser cozinhado, e tu, se continuares a divertir-te no circo destes palhaços, acabas cozido,  mas bem cozido!... 

Bruselas prepara una segunda línea de ayuda preventiva para Portugal


07/07/2013

Há homens que estão sempre presentes. Sempre estarão!

"Será o que for. Curto ou comprido, fácil ou doloroso, há que viver o caminho com dignidade. Dar-vos-ei o que me resta do que sou. Dai-me a mão e em frente. No umbral dos oitenta anos, já vai sendo ora de começar de novo."
(José Luis Sampedro, último parágrafo de "Monte Sinai")

Alumnos de José Luis Sampedro rinden 

homenaje al eterno profesor

José Luis Sampedro - Humanista, Escritor, Economista - o adeus de "La Sonrisa Etrusca"...


06/07/2013

Paulo Irrevogável Troca-Tintas é o novo chefe do governo...

... Passos Perdidos mantem-se com o cargo honorífico e simbólico de primeiro ministro, enquanto o chefe do governo, com o título dissimulado de vice-primeiro ministro vai ter o poder da coordenação económica, relações com a troika e destruição do Estado - por eles designada como reforma do estado. 
Fotografia de JOSÉ MANUEL RIBEIRO/REUTERS

Apontamentos - "Um povo resignado e dois partidos sem ideias"

«Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta. [.]


Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta até à medula, não descriminando já o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados na vida íntima, descambam na vida pública em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira a falsificação, da violência ao roubo, donde provem que na política portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro. Um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; este criado de quarto do moderador; e este, finalmente, tornado absoluto pela abdicação unânime do País. 

A justiça ao arbítrio da Política, torcendo-lhe a vara ao ponto de fazer dela saca-rolhas. 

Dois partidos sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes, vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se malgando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no parlamento, de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar. 



05/07/2013

Apontamentos - excertos de "As Farpas" (1)

«Vamos rir pois. O riso é um castigo; o riso é uma filosofia. Muitas vezes o riso é uma salvação...» 
« Portugal, não tendo princípios, ou não tendo fé nos seus princípios, não pode propriamente ter costumes. Com uma política de acaso, com uma literatura de retórica e de cópia, com uma legislação desorganizada, não se pode deixar de ter uma moralidade decadente.
Fomos outrora o povo do caldo da portaria, das procissões, da navalha e da taverna. Compreendeu-se que esta situação era um aviltamento da dignidade humana: fizemos muitas revoluções para sair dela. Ficamos exactamente em condições idênticas. O caldo da portaria não acabou. Não é já como outrora uma multidão pitoresca de mendigos, beatos, ciganos, ladrões, caceteiros, carrascos, que o vai buscar alegremente, ao meio dia, cantando o Bendito; é uma classe média inteira, que vive dele, de chapéu alto e paletó.»
(Eça de Queiroz)

Não lhes daremos descanso - amanhã, mais um empurrãozinho...

Que volte para a toca de Massamá, ou para casa do papá. Que vá trabalhar e que leve consigo os parasitas que o rodeiam. Que cresça e se faça um homem, a política não é actividade de garotos. Que se junte  ao Relvas e ao Gaspar, e levem a swap girl a passear. Fora, rua, O POVO É QUEM MAIS ORDENA.

03/07/2013

Amanhã vamos ocupar as ruas, as praças e avenidas das cidades, vamos reconquistar Portugal, recuperar a democracia, escorraçar os apátridas que estão ao serviço da Merkel, da troika e dos seus próprios interesses. Amanhã vamos mostrar-lhes que aqui há gente como no Brasil, na Turquia e na Grécia. A partir de amanhã DESOBEDIÊNCIA CIVIL, não aceitaremos golpes de estado palacianos, fora com a escumalha - Governo Rua -, O POVO É QUEM MAIS ORDENA!

Um governo de cócoras...

Amnistia Internacional qualifica perseguição a Snowden como "deplorável"
Não há memória de Portugal ter um governo tão cobarde e mesquinho como o actual. Um bando de canalhas que prefere sacrificar o próprio povo para satisfazer a vontade egoísta duma troika ao serviço do capital, dos agiotas e dos ladrões engravatados - lembrem só o BPN/PSD -, incapaz de um rasgo de dignidade para bater o pé a Merkel e à banca em defesa do pais que representa. Mas estes sacanas não vivem de cócoras só perante a CE, o BCE e o FMI. Completamente ignorantes e insensíveis aos valores mais básicos dos Direitos Humanos, estes lambe-botas que enchem as trombas de democracia, são incapazes de praticá-la submissos como são a tudo o que a contraria - surdos à voz da Amnistia Internacional, zelosos para mostrar serviço ao terrorismo de estado norte-americano. Menos mal que está por um fio, basta de suportar tanta humilhação.

Amnistia Internacional qualifica perseguição a Snowden como "deplorável"



02/07/2013

XEQUE MATE... - E agora, Sancho?...

«Quando nisto iam, decobriram trinta ou quarenta moinhos de vento, que há naquele campo. Assim que D. Quixote os viu, disse para o escudeiro: A aventura vai encaminhando os nossos negócios melhor do que o soubemos desejar; porque, vês ali Sancho onde se descobrem trinta ou mais desaforados gigantes, com quem penso fazer batalha, e tirar-lhes a todos as vidas, e com cujos despojos começaremos a enriquecer; que esta é boa guerra, e bom serviço faz a Deus quem tira tão má raça da face da terra.»

(Miguel de Cervantes - D. Quixote de la Mancha)

Portas demite-se do Governo

APONTAMENTOS - (Re) leituras...

Pintura de Tarsila do Amaral
... « Agora, caro Morus, vou abrir-vos a minha alma e revelar-vos os meus mais íntimos pensamentos. Por toda a parte onde a propriedade constitui direito individual, e onde todas as coisas se avaliam por dinheiro, nunca poderá organizar-se a justiça e a prosperidade social, a menos que chameis justa à sociedade na qual o que há de melhor é pertença dos piores, a menos que considereis feliz aquele Estado em que a fortuna pública é presa de um punhado de indivíduos insaciáveis enquanto a massa é devorada pela miséria.»
...« Muitas vezes até acontece que a sorte do rico devia caber ao pobre. Não há ricos avaros, imorais e inúteis? Pobres simples e modestos, cuja industria e trabalho aproveitam ao Estado, sem vantagem para eles próprios?»
...« Eis o que invencivelmente me convence de que a única maneira de distribuir os bens com equanimidade e justiça, instituindo a felicidade do género humano, é a abolição da propriedade. Enquanto o direito de propriedade for o fundamento do edifício social, a classe mais numerosa e mais estimável só terá, para partilhar, miséria, tormentos e desespero.»
(Excertos de Utopia de Thomas Morus)

01/07/2013

"Vai ao fundo - vai ao fundo - e vai ao fundo sim senhor - que vida boa - era - a de Lisboa"

"Swap Girl" Maria Luis Albuquerque é promovida a ministra das finanças - Gaspar já era...

Maria Luís Albuquerque é a nova ministra das Finanças


A VIAGEM DO ELEFANTE - Há dois dias, em Figueira de Castelo Rodrigo

Num país onde grassa o cinzentismo, a vulgaridade, muito fado e festas coloridas de pimbalhada e mediocridade, menos mal que ainda resiste alguma arte e cultura em Portugal.

Paradoxo existencial - Swap Girl em estado de negação, reafirma não saber de si própria

A secretária de Estado Maria Luís Albuquerque no 'birefing' de hoje do Governo
foto ALBERTO FRIAS
Directora do Departamento de Gestão Financeira da Refer entre 2001 e 2007, assinou os contratos "swap" daquela empresa, mas pelos vistos "não foi informada"... Esquizofrenia de poder ou mentirosa compulsiva?

Contratos swap foram abordados por Teixeira dos Santos, admite Governo