16/06/2013

No "universo" dos brandos costumes o povo continua manso...

... As pessoas berram, barafustam, gesticulam e disfarçam a cobardia com máscaras de falso pacifismo e civilização, porque são incapazes de responder à violência do poder com a violência das convicções e da razão. No universo dos brandos costumes não nasce nada, não cresce nada, não se cria nada porque a esterilidade ocupou o espaço do ser humano pensante e solidário, do homem lutador, revolucionário. No país dos brandos costumes existem muitos escravos e alguns senhores, praias, religiões, futebóis, televisões, e a morte vive-se todos os dias em rituais prenhes de amanhãs, artifícios, ilusões...  
Artigo 21.º
Direito de resistência
Todos têm o direito de resistir a qualquer ordem que ofenda os seus direitos, liberdades e garantias e de repelir pela força qualquer agressão, quando não seja possível recorrer à autoridade pública.