25/06/2013

Bernardo Sassetti

Num país tão estéril para as grandes coisas da Cultura, numa pátria de ladrões e de pedintes, de lambe-botas e alguma resistência, nesta nação acabrunhada por efeitos folclóricos  de imitação pós-moderna - lá vai o cacilheiro dos choradinhos fadistas à descoberta de Veneza, lá vai, lá vai, lá vai lá vem, triste figura de revivalismo quinhentista, que sempre termina em Belém - nesta terra cinzenta dizia eu, alguma coisa acontece que, pelo menos, nos cria a ilusão de futuros de sol mais brilhante. Parabéns à CASA BERNARDO SASSETTI por nos fazer - a alguns - um bocadinho menos macambúzios, menos (i)lusos, menos fado...