27/04/2013

Crise europeia interrompe processo de globalização

Ignacio Ramonet (Redondela, 1943), é um dos pensadores mais lúcidos dos últimos tempos. Instalado em Paris desde 1972, sociólogo e semiólogo, especialista em geopolítica, professor de teoria da comunicação, sagaz jornalista, sua forma de ver e interpretar a modernidade e, por extensão, a globalização, faz de suas ideias um ponto de inflexão necessário contra o pensamento dominante. Falamos com ele sobre a atualidade política, a crise e os emergentes movimentos sociais, a Europa e o porvir.

Para Ignacio Ramonet, “o curso da globalização parece suspenso” e o momento é marcado por “desglobalização e decrescimento”. “Todas as sociedades do sul da Europa tornaram-se furiosamente anti alemãs, uma vez que a Alemanha, sem que ninguém lhe tenha outorgado esse direito, se erigiu em chefe. (...) A Europa é agora, para milhões de cidadãos, sinónimo de castigo e sofrimento: uma utopia negativa”, adianta. Entrevista de Manuel Fernández-Cuesta, para o Eldiario.es.

A entrevista pode ser lida aqui.