30/06/2011

Especialistas em artes fúnebres...


O país continua moribundo, e os novos coveiros estão decididos a enterrá-lo definitivamente. Pode haver surpresas, de facto o número de votos em que baseiam a sua "legitimidade" governativa é muito pequeno, por muito que gostem de pensar que as falsas percentagens que dizem ter - por teimarem na ideia de que quem não vota não existe -, correspondem à maioria do povo português. O grande vencedor das últimas eleições não está representado na AR, mas está na sociedade - no trabalho, no desemprego, nos precários, nas artes, nas escolas, na rua, no povo e na vida, e são esses que não estão dispostos (entre outros) a perderem o estatuto de cidadãos, para se tornarem escravos de uns quantos oportunistas ao serviço de interesses aparentemente abstractos - os mercados -, mas bastante objectivos na construção de injustiças e desigualdades, aplicando o novo instrumento ideológico do capitalismo mais selvagem que alguma vez existiu - o austeritarismo. As clientelas minoritárias dos partidos do "arco do poder", são pequenas frente a uma força que talvez mais cedo do que tarde resolva resgatar a democracia das garras de quem a usa para a destruir.

27/06/2011

Socialistas?

Há sempre um momento para os chamados "socialistas" parecerem de esquerda, e esse momento é quando passam para as cadeiras da oposição. Enquanto governo (Portugal, Espanha, Grécia, etc.) fazem o que está à vista de todos, isto é, políticas neo-liberais que em nada se distinguem das políticas da direita. Antes pelo contrário, quando os conservadores mais retrógrados os substituem, mais não fazem do que continuar o trabalho que já encontraram começado. Quem alimentou os grandes interesses financeiros e a especulação, dos aparentemente "abstractos" mercados, nos últimos anos e nos países atrás referidos? Em qual dos estados citados a banca se sentiu desconfortável com os partidos governantes? Porque razão é que nos momentos em que os ditos "socialistas" governam se tornam mais visíveis as desigualdades entre ricos e pobres?
Mesmo reconhecendo que há verdades que de vez em quando lhes são ditadas pela (má?) consciência, é importante fazer constantemente exercícios de memória, ou continuarão a tentar fazer de nós parvos...
  O que estão a fazer à Grécia é "uma vergonha" 

23/06/2011

Daniel Cohn Bendit já pediu desculpas a Rui Tavares?

Ser independente, é algo mais do que saltitar de grupo parlamentar em grupo parlamentar com pretextos politicamente infantis. Começa pelo respeito por aqueles que depositam um voto em função de um projecto ou programa político. Qualquer indivíduo eleito tem o direito, sempre que se sentir desrespeitado ou incómodo com os demais membros da força que representa, para se demitir, mas não para usurpar o cargo que desempenha - deputado.
Pessoalmente sinto um certo alívio por esta "fuga" do deputado Rui Tavares se ter consumado, ainda não esqueci a questão do voto pela intervenção da NATO na Líbia, e também sei que no momento dos naufrágios, os ratos são sempre os primeiros a abandonar os barcos. Mas, até prova em contrário e contra essa espécie de superioridade moral que alguns esgrimem em defesa de uma qualquer independência (?) em relação aos partidos que os elegem, o sr. Rui Tavares não passa de mais um oportunista, por muito que haja vozes de uma certa esquerda "iluminada" a querer justificar o impossível. Demita-se sr deputado, devolva o voto que depositei na lista - não no indivíduo - do Bloco de Esquerda nas eleições ao Parlamento Europeu.



18/06/2011

José Saramago, 1922-2010, mas tão vivo como sempre...


«Privatize-se tudo, privatize-se o mar e o céu, privatize-se a água e o ar, privatize-se a justiça e a lei, privatize-se a nuvem que passa, privatize-se o sonho, sobretudo se for diurno e de olhos abertos. E finalmente, para florão e remate de tanto privatizar, privatizem-se os Estados, entregue-se por uma vez a exploração deles a empresas privadas, mediante concurso internacional. Aí se encontra a salvação do mundo... e, já agora, privatize-se também a puta que os pariu a todos.» 
José Saramago - Cadernos de Lanzarote - Diário III - pag. 148 

10/06/2011

Dia de Camões


Camões, grande Camões, quão semelhante 
Acho teu fado ao meu, quando os cotejo! 
Igual causa nos fez, perdendo o Tejo, 
Arrostar co'o sacrílego gigante; 

Como tu, junto ao Ganges sussurrante, 
Da penúria cruel no horror me vejo; 
Como tu, gostos vãos, que em vão desejo, 
Também carpindo estou, saudoso amante. 

Ludíbrio, como tu, da Sorte dura 
Meu fim demando ao Céu, pela certeza 
De que só terei paz na sepultura. 

Modelo meu tu és, mas... oh, tristeza!... 
Se te imito nos transes da Ventura, 
Não te imito nos dons da Natureza. 

Bocage, in 'Rimas'

http://pt.wikipedia.org/wiki/Lu%C3%ADs_de_Cam%C3%B5es

07/06/2011

Democraticamente dedicada a todos os votantes do PSD-CDS-PS - Admirável Gado Novo


                                   Admirável Gado Novo - Zé Ramalho
                            Oooooooooh! Oooi!
                                   Vocês que fazem parte dessa massa
                                   Que passa nos projetos do futuro
                                   É duro tanto ter que caminhar
                                   E dar muito mais do que receber...
                                   E ter que demonstrar sua coragem
                                   À margem do que possa parecer
                                   E ver que toda essa engrenagem
                                  Já sente a ferrugem lhe comer...

Êeeeeh! Oh! Oh!
Vida de gado
Povo marcado, Êh!
Povo feliz!...(2x)
Lá fora faz um tempo confortável
A vigilância cuida do normal
Os automóveis ouvem a notícia
Os homens a publicam no jornal...
E correm através da madrugada
A única velhice que chegou
Demoram-se na beira da estrada
E passam a contar o que sobrou...
Êeeeeh! Oh! Oh!
Vida de gado
Povo marcado, Êh!
Povo feliz!...(2x)
Oooooooooh! Oh! Oh!
O povo foge da ignorância
Apesar de viver tão perto dela
E sonham com melhores tempos idos
Contemplam essa vida numa cela...
Esperam nova possibilidade
De verem esse mundo se acabar
A Arca de Noé, o dirigível
Não voam nem se pode flutuar
Não voam nem se pode flutuar
Não voam nem se pode flutuar...
... ...

06/06/2011

Afinal, quem é Pedro Passos Coelho?

Quem é o homem que os portugueses elegeram com 38, 63% dos 58,9% que votaram?
Em que competências se basearam estes 38,63% dos tais 58,9% de votantes para fazerem a sua escolha?
Neste blog  pode encontrar algumas respostas, embora o que aí vem não se solucione com arrependimentos tardios...

Por fim uma meia verdade...

Foi preciso esperar pelo último discurso do "ex-governador" deste protectorado europeu chamado Portugal, para lhe ouvir uma meia verdade: " Portugal é aquilo que os portugueses querem que seja" -, disse. Meia verdade porque eu, e mais alguns cidadãos que também são portugueses sem tendências masoquistas, que temos o bom hábito de pensar e exercitar os neurónios, nada temos que ver com as consequências provocadas pelas opções dos rebanhos e das seitas cá do jardim à beira mar plantado. Não fosse este singelo pormenor, e teríamos ouvido uma verdade a sério ao despedido José Sócrates. "Mais vale meia que nada", diriam os fãs - aqui abreviatura de fanáticos - dos partidos maioritários, sempre tão fáceis de contentar... 
      

Sócrates tem mais encanto, na hora da despedida. Ao "bluff"que lhe sucede, preparemos a partida...



A gamela é a mesma, os porcos é que mudam...
(Adágio Popular)

05/06/2011

Acabou a "reflexão"? Então vamos lá...


Como em Barcelona, Paris, Atenas, etc., os mastins do poder escolheram o dia - dizem - de "reflexão eleitoral", para mais uma demonstração da "coragem" que exibem contra pessoas desarmadas e pacíficas, desta vez em Lisboa. Tal como a "coragem" com que os politiquinhos das troikas enfrentam os mais fracos e os pobres, em contraste com a submissão de que fazem gala perante os interesses e as negociatas dos poderosos - banqueiros, corruptos, criminosos de colarinho branco -, também os cães de guarda do sistema - pagos com o dinheiro dos   cidadãos - parecem estar treinados para morder a mão de quem os alimenta, lambendo as botas daqueles que os treinam para estas façanhas. Por mais este atropelo à Democracia, é urgente não esquecer que "está na hora de fazer a luta toda". Mesmo toda, se a isso nos obrigarem...
    

Que coisa seria?... - La maza




04/06/2011

Está na hora, de fazer a luta toda...


"Domingo, dia 5 de Junho, está na hora em que, cada um e cada uma, decidirão sobre mesmar ou mudar o futuro. A opção é absolutamente clara, entre uma maioria de direita, já plasmada no entendimento da troika do PS do PSD e do CDS, que apenas farão mesmar o país e hão-de impor-nos a continuação dos sacrifícios, de que os mais favorecidos sempre se auto-isentam, e a escolha de uma forte alternativa de Esquerda, capaz de renegociar a dívida e continuar a defender a democracia, os direitos e a cidadania, de todos e de todas. Dia 5 de Junho, Vota Bloco de Esquerda."

Tomar partido - Eu voto, e tu?

Tomar partido - o voto útil

03/06/2011

Tomar partido - o voto inútil

Votar nestes senhores ou nestes partidos políticos, é votar contra a Democracia e contra a Soberania Nacional. Eu não voto neles, porque não gosto de me sentir pisado...

01/06/2011

A Democracia conquista-se na rua - a Grécia está presente.


Cinquenta mil cidadãos indignados da Grécia cercam o mausoléu, quer dizer, o parlamento dos coveiros do país. O exemplo contamina, e os "mercadores criminosos", os seus lacaios da política, e toda a casta de exploradores sem escrúpulos começam a sentir a comichão. Mas não se preocupem, talvez chegue o momento em que muita e boa gente não se importe de lhes prestar um último serviço - "coçá-los bem coçados"!  

Dia Mundial da Criança


4- Todas as crianças têm direito a alimentação e ao atendimento médico, antes e depois do seu nascimento. Esse direito também se aplica à sua mãe - Direitos da Criança

Portugal tem a oitava maior taxa de pobreza infantil da OCDE


Em cada cinco crianças duas vivem em situação de pobreza