31/03/2011

"Administrador dos CTT falsifica CV e suspende mandato"

 
O administrador dos CTT Marcos Baptista, nem jeito teve para se matricular na Universidade Independente. Com 8 anos de frequência universitária, era até possível candidatar-se a umas equivalências, que lhe permitissem obter um qualquer doutoramento na tão "útil instituição ministradora de qualificação superior". Que o digam alguns notáveis da nação, que pelo módico esforço que implica o envio de um fax, conseguiram notáveis licenciaturas... Agora é tarde. É a vida...http://www.ionline.pt/conteudo/114435-administrador-dos-ctt-falsifica-cv-e-suspende-mandato-

A construção da escravatura contemporânea...

Um presidente e três partidos - PS, PSD, CDS -, todos empenhados em escravizar-nos. Abre os olhos, ou ainda te obrigam a cruzar de novo o Cabo das Tormentas...

28/03/2011

Notícias: a boa - Souto Moura ganha o Prémio Pritzker 2011; a má - Pobreza agravou-se em 2010

Lula da Silva, "FMI não resolverá problema de Portugal"...

..., Sócrates fala da "confiança dos mercados". Lula sabe o que diz, Sócrates teima nos disparates de sempre. Lula fez do Brasil uma potência emergente, Sócrates fez de Portugal um dos países mais pobres da Europa. Lula é um homem feito no trabalho, sindicalista. Sócrates fez-se na Independente, "inginheiro". Lula é um homem de esquerda, Sócrates é de "esquerda" às vezes, do centro quase sempre, e faz as delícias da direita enquanto governante.

27/03/2011

Sporting Clube de Portugal - "Continuidade" auto-destrutiva...

Reconheço que durante umas semanas acreditei que o Sporting Clube de Portugal estava prestes a voltar a ser um dos grandes do futebol nacional. Mas não - vãs ilusões! -, a maioria dos sportinguistas são também portugueses... Como poderiam, pois, escolher o que desconhecem? É assim na vida, na política - mais vale o "mau conhecido" do que o "bom" que não se vê -, vive-se das glórias passadas, seja a gesta dos descobrimentos em "naus como cascas de nozes" ou as vitorias dos "cinco violinos"... O Sporting - como o Governo -, está cheio de tipos importantes e sábios - economistas, gestores, engenheiros a sério ou supostos, gente com poder e com dinheiro -, que sabem muito e de tudo, menos do que deviam saber - governar em prol do colectivo. O Sporting é uma metáfora da nação - o mesmo medo "atávico" que aliena e mata lentamente, muita parra e pouca uva,  a espera permanente de que o acaso -"destino"-, faça chover a "boa sorte" numa qualquer manhã de sol, porque o nevoeiro já cansa. Mas a "continuidade" tão apregoada, como  quimera e solução de todos os males, tem-se apresentado letal, há décadas que o único "movimento" que constrói é o da inércia, o de "vitória em vitória até à derrota total". Assim tem sido com a política de continuidade dos sucessivos governos - Cavaco, Guterres, Durão, Santana, Sócrates, Passos?-, como com os vários presidentes leoninos - Roquete, Cunha, Franco, Bettencourt, Godinho?-, porque não bastam umas auto-estradas e um campeonato de vez em quando, para que o desejo de ser grande se transforme em grandeza.       


"A fada confiança não nos salvará das consequências da nossa estupidez."- A ilusão da austeridade, artigo de Paul Krugman


Paul Krugman, economista norte-americano, colunista do The New York Times, Prémio Nobel de Economia em 2008, Professor de Economia e Assuntos Internacionais na Universidade de Princeton.

O governo português acabou de cair na sequência de uma disputa sobre as propostas de austeridade. Os juros da dívida pública irlandesa atingiram os 10% pela primeira vez. E o governo britânico acabou de rever em baixa a sua previsão de crescimento económico e em alta o seu défice.


O que é que estes acontecimentos têm em comum? Todos eles indicam que cortar a despesa, num contexto de desemprego elevado, é um erro. Os defensores da austeridade previram que os cortes da despesa gerariam dividendos rápidos, sob a forma de um aumento da confiança, e que teriam poucos, ou nenhuns, efeitos adversos no crescimento e na criação de emprego; mas estavam errados.


Por isso, é lamentável que por estes dias não se seja considerado sério em Washington, a não ser que se obedeça à mesma doutrina que está a falhar de forma tão catastrófica na Europa.


                                                 Ler mais em     http://www.nytimes.com/2011/03/25/opinion/25krugman.html?scp=3&sq=paul%20krugman&st=cse

25/03/2011

Eles causam a crise, eles que a paguem

E se a Srª Merkel não gostar, dá-lhes com os Homens da Luta. Este é o videoclip oficial que os alemães vão ter que ouvir, já que Sócrates e Passos Coelho só representam os portugueses de cócoras...

23/03/2011

PS/PSD - Tango/Requiem no último suspiro de um governo...

Estás desorientado y no sabés 

qué "trole" hay que tomar para seguir. 
Y en este desencuentro con la fe 
querés cruzar el mar y no podés. 
La araña que salvaste te picó 
-¡qué vas a hacer!- 
y el hombre que ayudaste te hizo mal 
-¡dale nomás!- 
Y todo el carnaval 
gritando pisoteó 
la mano fraternal 
que Dios te dio. 

¡Qué desencuentro! 
¡Si hasta Dios está lejano! 
Llorás por dentro, 
todo es cuento, todo es vil. 

... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

 Por eso en tu total 
fracaso de vivir, 
ni el tiro del final 
te va a salir.

 Música: Aníbal Troilo 
                                                                 Letra: Cátulo Castillo 

21/03/2011

Dia Mundial da Poesia - "Para Fazer o Retrato de um Pássaro"


Pinta primeiro uma gaiola

com a porta aberta.

Pinta a seguir

qualquer coisa bonita,

qualquer coisa simples,

qualquer coisa bela,

qualquer coisa útil

para o pássaro.

Agora encosta a tela a uma árvore,

num jardim,

num bosque,

ou até numa floresta.

Esconde-te atrás da árvore

sem dizeres nada,

sem te mexeres...´

Às vezes o pássaro não demora

mas pode também levar anos

antes que se decida.

Não deves desanimar,

espera,

espera anos se for preciso,

a rapidez ou a lentidão da chegada

do pássaro, não tem qualquer relação

com o acabamento do quadro.

Quando o pássaro chegar

- se chegar-,

mergulha no mais fundo silêncio,

espera que o pássaro entre na gaiola

e, quando tiver entrado

fecha a porta devagarinho, com o pincel.

Depois,

apaga uma a uma todas as grades

com cuidado, não vás tocar nalguma das penas.

Faz a seguir o retrato da árvore,

escolhendo o mais belo dos ramos

para o pássaro,

pinta também o verde da folhagem, a frescura do vento,

a poeira do sol,

e o ruído dos bichos entre as ervas no calor do verão.

E agora espera que o pássaro se decida a cantar.

Se o pássaro não cantar

é mau sinal,

é sinal que o quadro não presta,

mas se cantar é bom sinal,

sinal de que podes assinar.

Então, arranca com muito cuidado

uma das penas do pássaro,

e escreve o teu nome num canto do quadro.


(Poema de Jacques Prévert)

(Pintura de Miró - O canto do rouxinol à meia noite, e a chuva da manhã)


Março, 21




Depois do Inverno, morte figurada,
A Primavera, uma assunção de flores.
A vida
Renascida
E celebrada
Num festival de pétalas e cores.

Miguel Torga
Posted by Picasa

20/03/2011

Eles são a crise...

Ao centro Sócrates. Um quase ex-primeiro ministro. Um puro exemplo da propaganda feita arte de manipulação. A arrogância, a mentira, a vaidade dos pobres de espírito que se acham acima do bem e do mal. Aqueles a quem serve - apóstolos do deus mercado -, hão-de proporcionar-lhe um futuro sem problemas, em contraste com a falta de futuro que espera a  grande maioria dos portugueses, a quem até a esperança tem sido espoliada.

À esquerda de Sócrates - direita em frente à imagem -, Passos Coelho. Um possível próximo primeiro ministro. Companheiro e cúmplice do primeiro no que diz respeito à imposição dos PEC - Programas de Estabilidade e Crescimento deles e Cª, Programas de Empobrecimento e Condenação dos trabalhadores, desempregados, reformados, jovens precários, e população em geral. Estilo "aparentemente" diferente - as mesmas receitas.

À direita dos dois anteriores - conforme o ponto de vista -, Paulo Portas. Não é que Sócrates e Coelho não dominem as artes da demagogia e do populismo, mas neste campo estão de facto a anos luz do mestre Paulo. Diz um fã incondicional de Portas que será o melhor primeiro ministro para Portugal - talvez se refira ao jogo da batalha naval -, quem não se lembra dos "brinquedos caros"  (submarinos e outros), que fazem as delícias do líder do CDS?

Uma coisa é certa, qualquer deles - no governo ou com acordos parlamentares -, fará exactamente o que Bruxelas ordene. São eles,de facto, a crise. Mas outro país é possível, basta querermos. 

18/03/2011

Amanhã, 19 de Março, Dia de Indignação e Protesto

Depois da grande mobilização do dia 12 promovida pela "Geração à Rasca", a luta continua amanhã, 19 de Março, com uma grande manifestação nacional promovida pela CGTP. Protesta e mostra a tua indignação contra o governo PS/PSD e as suas  políticas desastrosas dos sucessivos PEC - programas de estabilidade e crescimento da banca, dos agiotas, dos corruptos e dos interesses financeiros nacionais e internacionais. Não embarques em contos de sereias, ou a seguir vais saborear o fel dum possível governo PSD/PS, ou seja: o mesmo. OUTRO PAÍS É POSSÍVEL, SE TU QUISERES!
http://www.youtube.com/watch?v=JsOFTwuq9Bs&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=QLljHFckOIg&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=wcGE6_xZbQk&feature=related

16/03/2011

A Justiça no "País dos Anões".*

Na primeira semana de Março, o Ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão Seiji Maehara, demitiu-se devido a um escândalo de financiamento político, ao receber um donativo ilegal no valor de 435 euros - uma fortuna, como se pode ver. 

Há três semanas, o Ministro da Defesa da Alemanha, Karl Theodor zu Guttenberg, foi acusado de plágio na tese de doutoramento. Não sei quanto custa uma tese de doutoramento em terras da "imperatriz Angela Merkel", mas, o ministro demitiu-se.

Ontem, a imprensa portuguesa revelou que a mulher do Ministro da Justiça (?) Alberto Martins, recebeu 72.000 euros (setenta e dois mil euros) contra o parecer da PGR (Procuradoria Geral da República). O ministro mandou INSPECCIONAR, NÃO SE DEMITIU.

Pertencer ao Governo no "País dos Anões", é fantástico, não é? 

* Título inspirado no livro de poesia de Celso Emílio Ferreiro, "O País dos Enanos".

PEC 4? Não, obrigado! Aprendam com a Islândia.

Manifestantes em Reikjavik.
Apesar da chantagem, não ao pagamento da dívida. Os bancos, os interesses financeiros, os políticos e todos os corruptos ao serviço dos banqueiros e agiotas, que paguem a crise. Não foram eles que a criaram? Não são eles que enriquecem todos os dias à  custa da miséria dos demais?  

15/03/2011

Cavaco Silva - um desses jovens de há 50 anos...

«Importa que os jovens deste tempo se empenhem em missões e causas essenciais ao futuro do país com a mesma coragem, o mesmo desprendimento e a mesma determinação com que os jovens de há 50 anos assumiram a sua participação na guerra do Ultramar»

Estranha "democracia" esta, que se faz representar no cargo simbólico institucional mais elevado - Presidência da República -, por um personagem desta estirpe. Certo é que o exercício da memória escasseia nesta terra e nestes tempos, e é por isso que tanto branqueamento "fascistóide" se passeia a bel-prazer sem um pingo de vergonha. Mas é também por isso, que convém recordar este senhor que a grande maioria dos jovens de há 50 anos foram obrigados a matar e a morrer, e toda a determinação de que foram capazes, consistiu em tentar sobreviver à condenação que lhes "tocou em sorte". Talvez não seja o caso de Cavaco, e de alguns mais, claro. É possível que tenha sido por convicção que fez a guerra do Ultramar, como é possível que o facto de ser Professor em Finanças seja algo mais do que uma coincidência. 

PEC 4 - o alastrar do cancro nacional...

Ou os portugueses ganham coragem e liquidam o cancro, ou o cancro liquida os portugueses...

09/03/2011

Há tipos muito inteligentes, não há?...

... falam nas televisões a horas certas, entram-nos em casa para nos mostrar o tolinhos que somos, não é?, parece até que pensam, mas não se sabe ao certo em quê, e não falam só, não senhor!, também são habilidosos a escrevinhar umas coisas, até livros, sim, sim, resmas de árvores liquidadas para decorar estantes de salas de novos ricos que lêem telenovelas e interpretam futebol em papel impresso de letras e tretas e euros, muitos euros, e engordam como porcos até ficarem parecidos com eles próprios, e não votámos neles mas eles representam como se nos representassem, e acham que têm piada, e que sabem umas coisas, e fazem a história sentados em sofás confortáveis porque a rua, claro!, a rua, ai a rua!, a rua, porra!, A RUA ASSUSTA-OS!, e talvez no próximo dia 12 se borrem todos de medo, e descubram por fim de que são feitos, e o mal que cheiram por mais que se disfarcem  de perfumes caros... 
Dia 12 de Março, todos à RUA

08/03/2011

Sócrates - a máscara pseudo-democrática...

Os jovens que em Viseu foram violentamente impedidos de exercer o seu "direito à indignação", pela "guarda pretoriana" do PSócrates que, mais uma vez não respeitaram  um dos mais elementares direitos democráticos  como a liberdade de expressão, pagaram para entrar no jantar do partido do governo. Srs socialistas (?): no mínimo, devolvam o dinheiro àqueles que já são bastante castigados pelas vossas políticas rascas. 

Dia Internacional da Mulher, claro!

Elas são as mães:
rompem do inferno, furam a treva,
arrastando
os seus mantos na poeira das estrelas.
Animais sonâmbulos,
dormem nos rios, na raiz do pão.
Na vulva sombria
é onde fazem o lume:
ali têm casa.
Em segredo, escondem
o latir lancinante dos seus cães.
Nos olhos, o relâmpago
negro do frio.
Longamente bebem
o silêncio
nas próprias mãos.
O olhar
desafia as aves:
o seu voo é mais fundo.
Sobre si se debruçam
a escutar
os passos do crepúsculo.
Despem-se ao espelho
para entrarem
nas águas da sombra.
É quando dançam que todos os caminhos
levam ao mar.
São elas que fabricam o mel,
o aroma do luar,
o branco da rosa.
Quando o galo canta
Desprendem-se
para serem orvalho.
- Algumas Reflexões Sobre a Mulher -
Eugénio de Andrade

06/03/2011

"É a vida, pois. Que mais quereis?" *

Nem tudo são más notícias no "país do nevoeiro". Ou serão más para alguns e menos más para outros, talvez boas para os demais. Vem tudo isto a propósito dos acontecimentos que, por não ser comum acontecerem   nestas terras, começam a colocar algumas "excelências" pardas à "beira de um ataque de nervos". Nada mais natural - haverá quem pense -, tendo em conta as personalidades das personagens preocupadas, há tantos anos no poleiro do poder - governo da República, governo Autárquico e outros -, ou nos poleirinhos adjacentes - televisões, jornais, rádios, etc. -, sempre a "falar, falar e a gente sem os ver a fazer nada", ou a dizerem que vão fazer isto e aquilo e a fazerem sempre o contrário, enfim!, coisas de quem se pensa acima do bem e do mal, autênticos timoneiros da pátria, num caminho traçado em direcção ao - para eles -, melhor dos mundos possíveis, mesmo que o desfecho seja a queda no abismo. Mário Soares, ex-presidente da República, amigo de "tipos" importantes por esse mundo fora - quem não se lembra daquele "construtor de democracias CIA" chamado Franck Carlucci? Ou daquele outro que antes de ocupar o cadeirão do Eliseu como Presidente de França, já se tinha destacado como colaborador do governo pró nazi de Vichy, de nome François Mitterrand? Ou ainda Bettino Craxi, primeiro ministro italiano antes da fuga para a Argélia e  Tunísia, devido aos casos de corrupção em que estava envolvido? -, "voilá !", Mário Soares, diz que há uns dias  escreveu um texto sobre os "Deolinda", mas que só tinha ouvido falar da música "Rock" que provocou um entusiasmo unânime na assistência do Coliseu, e só depois leu no Expresso a letra que lhe pareceu "fracota". Que o Dr Soares faça confusão entre géneros musicais, pode entender-se, que ache a letra "fracota", vindo de tão "ilustre especialista em questões de literatura", pode passar. O que não pode aceitar-se é a manipulação, o insulto e a falta de "honestidade intelectual", ao falar de coisas que, o mais certo, é terem como base a "ignorância" por não ter lido o manifesto. Do mesmo mal também sofre o "ilustre" professor universitário e autarca de Santarém, Dr Francisco Moita Flores, a quem se aconselha a leitura do documento "PROTESTO DA GERAÇÃO À RASCA", onde pode verificar que em nenhum momento se pede a demissão de "toda a classe política", como afirma no seu artigo sobre o assunto no Correio da Manhã. Uma coisa é confundir um e-mail que viaja pela Internet sem autor conhecido, com um documento devidamente identificado da Geração à Rasca, na esfera do seu círculo privado. Outra bem diferente, é usar o conteúdo de um como se fosse de outro, num órgão de comunicação social, criando a confusão e invertendo o sentido da mensagem, atitude que não é inocente em tão especializado comentador de um leque abrangente de temáticas, desde a cultura da festa brava - há que manter a tradição, os ferros espetam sempre o touro, pois então! -, até aos policiais caseiros de sabor "made in USA". Pode até ser um génio na análise da qualidade das ligas de duquesas, frequentadoras de histórias "ballet rose ou orange partys", falar em todos os programas matinais, escrevinhar em todos os correios, mas a ética, é mais urgente em quem não perde a ocasião para falar dela, e em quem  menos a pratica. Depois temos o Pacheco Pereira (m-l), preocupado porque vão ter mais problemas do que já têm... Coisas de Sábado  , o homem põe-se para ali a adivinhar o futuro, esquece-se que os problemas não são dos que, como ele, têm o tacho garantido, mas de todos os que vão sair à rua a exigir  aquilo a que têm direito - serem cidadãos e não escravos. PP(m-l) vê demónios em todas as esquinas, dispara em todas as direcções, «as coisas vão começar a aquecer» e os hereges que provocaram a ira dos deuses estão em todo o lado - são como ele mas menos, estão no PS e no PSD mas não souberam criar o necessário movimento "ecuménico do centrão" para evitar o perigo. Agora vejam, até aqueles diabinhos do PCP e da CGTP são santos comparados com a "sublevação da rua". Como na Grécia... Acudam! O inferno está dominado pelos "jovens modernaços que passam a vida no face-book". 
Os parasitas que vampirizam a vida do Povo sabem que não é na rua que morre a Democracia, é nela que se constrói. Como o título de um  post de Renato Teixeira no 5Dias.net, "Foi o bloco central que deixou várias gerações à rasca. Eles são o nosso antigo regime.

* Título retirado do 3º parágrafo do 1º capítulo de "PORTUGAL HOJE - O Medo de Existir", de José Gil