27/02/2011

Portugal - Estado de Direito, ou dos direitos de alguns?

A ambulância foi obrigada a retirar-se para dar passagem à viatura ministerial
Há uns dias, um senhor que foi Secretário de Estado, Ministro, administrador de instituições bancárias e outras coisas, entre as quais destaca o seu envolvimento no caso "Face Oculta", entrou pelo consultório de um Centro de Saúde à procura de um atestado médico, ultrapassando todos os que esperavam a sua vez para  consulta, devido ao facto de ter que apanhar um avião com uma certa urgência, sabe-se lá motivado por que terrível doença. Talvez um dia se venha a saber que terríveis males apoquentam o Dr (?) Armando Vara, que justifiquem este atropelo aos mais elementares direitos dos seus concidadãos. 

Mais recentemente - na passada Quinta Feira -, enquanto os Técnicos do INEM assistiam uma idosa com suspeita de estar a sofrer um enfarte, um elemento da PSP da segurança do Ministro Alberto Martins, ordenou a retirada da ambulância que assistia  a vítima, para que pudesse passar a viatura que ia buscar o Ministro a casa. Ora, sendo certo que uma ambulância em serviço de urgência é a garantia do socorro que as vítimas necessitam, que facto extraordinário levou a que a PSP invocasse que "os agentes podem retirar uma ambulância de um local por motivos de força maior"? Não será mais importante a saúde e segurança das pessoas, do que o excesso de zelo e abuso de autoridade da polícia, só para ficar bem aos olhos do amo?

Veremos, se algum o dia, o ministro desta espécie de democracia diz alguma coisa sobre o assunto.