30/01/2011

Egipto - o princípio do fim do ditador Mubarak, no poder desde a década de 80 com a cumplicidade dos EUA e da Europa...

ROBERT FISK - Enquanto o Cairo mergulha em nuvens de gás lacrimogéneo dos milhares de granadas lançadas contra multidões compactas, era como se a ditadura de Mubarak realmente andasse rumo ao fim. Ninguém, dos que estávamos ontem nas ruas do Cairo, tínhamos nem ideia de por onde andaria Mubarak – que mais tarde apareceria na televisão, para demitir todos os seus ministros. Nem encontrei alguém preocupado com Mubarak. (ler mais aqui.)
Egypt Recap
 Robert Fisk, The Independent, UK
Traduzido pelo pessoal da Vila Vudu


Jornalista inglês, correspondente do jornal “The Independent” no Médio Oriente. Vive em Beirute, há mais de 30 anos

29/01/2011

Lugar à Música - 3


Sou da geração sem remuneração e não me incomoda esta condição.
Que parva que eu sou!
Porque isto está mal e vai continuar, já é uma sorte eu poder estagiar.
Que parva que eu sou!
E fico a pensar, que mundo tão parvo onde para ser escravo é preciso estudar.

Sou da geração casinha dos pais, se já tenho tudo, pra quê querer mais?
Que parva que eu sou
Filhos, maridos, estou sempre a adiar e ainda me falta o carro pagar
Que parva que eu sou!
E fico a pensar, que mundo tão parvo onde para ser escravo é preciso estudar.

Sou da geração vou queixar-me pra quê? Há alguém bem pior do que eu na TV.
Que parva que eu sou!
Sou da geração eu já não posso mais que esta situação dura há tempo demais
E parva não sou!
E fico a pensar, que mundo tão parvo onde para ser escravo é preciso estudar.

Revolução por contágio

23/01/2011

Portugal, sítio distinto...

Numa democracia adulta e consolidada, há indivíduos que nem sequer poderiam ser candidatos, quanto mais ser eleitos. Numa democracia consolidada e autêntica, não se reconhece quem seja eleito sem que esteja garantido o cumprimento absoluto das regras. Numa DEMOCRACIA, não se condena parte dos seus eleitores à abstenção forçada, usurpando assim um dos seus direitos fundamentais - o direito ao voto.

"MISÉRIA DO CAPITAL - Uma crítica do neoliberalismo"


Michel Husson 

"Após a queda do Muro de Berlim, iniciou-se uma época em que tudo parecia comprovar a irresistível marcha para o definitivo triunfo do capitalismo. Passados poucos anos de autoglorificação do neoliberalismo e dos seus apoiantes, externos e internos, mesmo os mais desiludidos à esquerda e os mais hesitantes ao centro começam a reconhecer que, paradoxalmente, este sistema económico e político, que se tem autoconsiderado «o único» da maneira mais arrogante, afinal caiu no marasmo. Ou até pior: enquanto modo de organização económica e social, o seu rendimento aponta para a miséria, não conseguindo proporcionar à sociedade, no seu conjunto, um nível de vida compatível com a dignidade humana. Se o triunfo do capitalismo, nos tempos que vivemos, universaliza as formas modernas de miséria, não terá chegado já a hora de elaborar as vias que hão-de possibilitar a superação deste mesmo capitalismo incompetente? Assim, podemos dizer que o capitalismo não tem moral, pois não se importa de gerar cada vez mais miséria ao lado da opulência."

22/01/2011

E tu, votas nele?

Diferenças e (ou) semelhanças.

Dois catedráticos;
Duas inteligências - dizem - em economia e finanças;
Dois estadistas de um país empobrecido da periferia da Europa;
Leia, informe-se, pense e descubra você mesmo as diferenças e as semelhanças entre os dois personagens.
Para lhe facilitar o trabalho, saiba que a mão estendida que os une, é do Povo português.

P.S. Se tem vocação masoquista ou de escravo com complexos europeístas, continue a votar neles... Quer dizer: nele. 


18/01/2011

Prós e prós - ESCAPAREMOS AO FMI?

Uma espécie de jornalista, um suposto programa de debate, uns participantes que devem gostar de aparecer, as   conclusões do costume... AH!, uma novidade: um treinador de futebol transformado em analista de assuntos sociais, políticos e económicos... É justo, também não faltam por aí  políticos que onde melhor jogam é em assuntos de bolas...

16/01/2011

Exercício de memória - De que massa se fazem os santos?

João Paulo II e Augusto Pinochet. Também se poderiam chamar Escrivá de Balaguer e Franco, ou.............................................................................................................................................

Teatro

É a primeira produção pós Paulo Seara Cardoso. É também - penso -, a melhor maneira de homenagear  aquele que fez da sua vida a vida do Teatro de Marionetas do Porto. Desde o início da companhia, até ao  desaparecimento do homem. A obra continua. Frágil mas persistente, como a vida...

A WikiLeaks cumpre...

Apesar das dificuldades financeiras com que a  WikiLeaks se debate, devido à pressão e exigência do governo dos EUA sobre a Visa, MasterCard e PayPal que levaram  ao corte dos serviços que estas empresas mantinham com a organização, mesmo assim a promessa de contribuir para a defesa de Bradley Manning cumpriu-se com a transferência de 15.100 dólares para a conta do advogado do acusado. Pode aceder a.http://www.bradleymanning.org/15972/wikileaks-fulfills-pledge-to-support-accused-whistle-blower-bradley-manning/ para informação mais detalhada.

04/01/2011

Mercados estão a cometer crimes contra a humanidade - ao contrário de Cavaco Silva, ainda há quem chame os bois pelos nomes...




Cavaco Silva e o BPN

Um candidato à presidência da República, afirmou na grande entrevista da RTP que, judicialmente, o BPN era um negócio ilícito. Ora, assim sendo, o candidato Cavaco Silva não tem que dar explicações sobre o caso, tem que ser considerado como beneficiário de lucros ilícitos. A interpretação é fácil de fazer: se um negócio é ilícito, têm de ser ilícitos os lucros que esse negócio proporciona. Não importa a estratégia utilizada para desviar a atenção deste facto, criticando a actual gestão do banco. Importante é não esquecer como se chegou à actual situação. Meus senhores, tenham um pouco de vergonha e devolvam o que não vos pertence. Cavaco Silva incluído. 

Nostalgia? Talvez...

Hoje deu-me para isto...

02/01/2011

HELP!, acudam!, a WikiLeaks quer o meu ADN e os dados do meu BI...


- Ai não é a WikiLeaks? Então...
- É para o FBI  mandar para cá uns rapazes à cata de terroristas.
- Ah! Eu bem estranhei, como não ouvi o Zé Pacheco e o Zé Manel falar do assunto...

Não perca os próximos episódios. Por agora, comece por aqui.

Boaventura Sousa Santos - duas (2) entrevistas com o cientista social

 "Os mercados cometem crimes contra a humanidade"

"Com estas medidas de austeridade Portugal não vai pagar a dívida"

01/01/2011

Arnaldo Mesquita - Poeta, Advogado, defensor dos Direitos dos Presos Políticos



Um homem
Novo ou velho
Saiba manter-se de pé
Quanto mais dobre o joelho
Mais deixa de ser quem é
De dobrado não se vê

Arnaldo Mesquita

Manuel Castells - A Ciber-guerra da WikiLeaks

Pode ler o artigo do sociólogo catalão traduzido em português aqui.

Exercício de memória - começar de novo, com a poesia possível...


POEMA DE AGRADECIMENTO À CORJA

Obrigado por nos destruírem o sonho e a oportunidade de vivermos felizes e em paz. Obrigado pelo exemplo que se esforçam em nos dar de como é possível viver sem vergonha, sem respeito e sem dignidade. Obrigado por nos roubarem. Por não nos perguntarem nada. Por não nos darem explicações. Obrigado por se orgulharem de nos tirar as coisas por que lutamos e às quais temos direito. Obrigado por nos tirarem até o sono. E a tranquilidade. E a alegria. Obrigado pelo cinzentismo, pela depressão, pelo desespero. Obrigado pela vossa mediocridade. E obrigado por aquilo que podem e não querem fazer. Obrigado por tudo o que não sabem e fingem saber. Obrigado por transformarem o nosso coração numa sala de espera. Obrigado por fazerem de cada um dos nossos dias um dia menos interessante que o anterior. Obrigado por nos exigirem mais do que podemos dar. Obrigado por nos darem em troca quase nada. Obrigado por não disfarçarem a cobiça, a corrupção, a indignidade. Pelo chocante imerecimento da vossa comodidade e da vossa felicidade adquirida a qualquer preço. E pelo vosso vergonhoso descaramento. Obrigado por nos ensinarem tudo o que nunca deveremos querer, o que nunca deveremos fazer, o que nunca deveremos aceitar. Obrigado por serem o que são. Obrigado por serem como são. Para que não sejamos também assim. E para que possamos reconhecer facilmente quem temos de rejeitar.

Joaquim Pessoa