31/12/2011

Ano Novo à porta - 2012 feliz, só com muita luta. Bom Ano

A EDP desejou-lhe feliz ano novo...?

26/12/2011

"Para sair da crise, é preciso “romper com a troika” e obrigá-la a “renegociar a dívida”"


Quem o diz é um belga, professor universitário e politólogo, não consta que seja um "terrível esquerdista" nem que pense candidatar-se a primeiro ministro de Portugal e, tem uma enorme experiência a lidar com as falsas ajudas prestadas pelo FMI aos países em dificuldades. Chama-se Éric Toussaint e foi entrevistado pelo Público. Se queres deixar de ser "a cenoura devorada pelos coelhos" que ocupam o poder deste país, começa a pensar pela tua cabeça e, lê a entrevista aqui.

24/12/2011

Natal? - Quando um homem quiser



Tu que dormes a noite na calçada de relento
Numa cama de chuva com lençóis feitos de vento
Tu que tens o natal da solidão, do sofrimento
És meu irmão amigo
És meu irmão
E tu que dormes só no pesadelo do ciúme
Numa cama de raiva com lençóis feitros de lume
E sofres o natal da solidão sem um queixume
És meu irmão amigo
És meu irmão
Natal é em dezembro
Mas em maio pode ser
Natal é em setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da mulher
Tu que inventas ternura e brinquedos para dar
Tu que inventas bonecas e combóios de luar
E mentes ao teu filho por não os poderes comprar
És meu irmão amigo
És meu irmão
E tu que vês na montra a tua fome que eu não sei
Fatias de tristeza em cada alegre bolo-rei
Pões um sabor amargo em cada doce que eu comprei
És meu irmão amigo
És meu irmão
Natal é em dezembro
Mas em maio pode ser
Natal é em setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da mulher

Poema de Ary dos Santos, música de Fernando Tordo

19/12/2011

"Carta aberta ao Sr. Primeiro Ministro"

"Mas hoje, senhor primeiro-ministro, hoje passa. Hoje faço 42 anos e tenho a dizer-lhe o seguinte, senhor primeiro-ministro: Tenho mais habilitações literárias que o senhor. Tenho mais experiência profissional que o senhor. Escrevo e falo português melhor do que o senhor. Falo inglês melhor que o senhor. Francês então nem se fale. Não falo alemão mas duvido que o senhor fale e também não vejo, sinceramente, a utilidade de saber tal língua. Em compensação falo castelhano melhor do que o senhor."
Texto completo aqui.

(Roubado ao "Entre as Brumas da Memória")

Recordar José Dias Coelho, assassinado pela PIDE em 19 de Dezembro de 1961

18/12/2011

E o prémio "Chico Esperto", vai para?... O maior mentiroso! Que é...? Passos Coelho!


O que dizia? O que diz? Pior de tudo: o que faz? Mente, mente, mente, e vai-te levando na cantiga... Quer dizer:  vai-te entrando na bolsa, para encher a barriga dos que um dia (mercados, troika, bancos, agiotas...) lhe hão-de garantir a choruda reforma, conseguida com as reformazinhas que nos rouba a todos, todos os dias...

Se lhe acontecer isto muitas vezes, talvez seja ele a emigrar - para bem do país...


Há Povo em Matosinhos. Há gente que não tem medo de mostrar a indignação e não se cala perante a injustiça. Há vidas que não se vergam perante um cretino que representa os interesses duma troika contra o seu próprio povo. Há vontades mais fortes do que os sacanas que nos querem vergar. É tempo de começarmos a pensar no futuro e, para isso, é urgente limpar o presente, começando pelo esterco que desgoverna a nação.
Quanto a emigrar, que emigre (mais) este génio de banda desenhada tragicómica, que atormenta o sono dos portugueses disfarçado de 1º ministro...

17/12/2011

Auditoria, SIM - porque não gosto que façam de mim parvo...

Os alemães que paguem o que devem - a crise...


É urgente que os gregos, os portugueses, os irlandeses, os italianos, os belgas, os espanhóis e todos os que são constantemente insultados e espoliados por esses glutões de salsichas e compulsivos bebedores de cerveja, exijam à imperatriz Angela Merkel que paguem o que devem: as dívidas do crime - contraídas com as duas guerras mundiais e, o dinheiro europeu aplicado na unificação da Alemanha depois da queda do muro de Berlin.  Nem mais um cêntimo para os porcos germânicos, ou nem o cozido à portuguesa se salva...

Banco central alemão compara países endividados a alcoólicos http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=525449


Cesária Évora, 27 de Agosto de 1941-17 de Dezembro de 2011


http://www.cesaria-evora.com/?lang=pt

04/12/2011

Ai!!! Portugal, Portugal...


Ai, Portugal, Portugal
De que é que tu estás à espera?
Tens um pé numa galera
E outro no fundo do mar
Ai, Portugal, Portugal
Enquanto ficares à espera
Ninguém te pode ajudar


... ... ... ...

Começou assim...


... e já vão aqui. Força, num país em que a chamada informação não passa dum produto de esgoto ao serviço dos interesses da classe dominante - os ricos -, através dos seus apêndices no poder, o centrão político PS/PSD/CDS-PP, qualquer meio e estratégia que alerte contra a corrupção e a injustiça, e que contribua para o despertar de um colectivo nacional anestesiado por décadas de "lavagem" ao cérebro praticada pelos meios de comunicação-lixo do sistema - TVs, Rádios, Jornais, etc. -, qualquer meio, dizia, será sempre bem vindo e salutar...

Cuidado - as imitações, às vezes não o são, ou são piores...

video

"Passos reconhece que nível de pobreza é muito elevado em Portugal"e o que é que ele faz? Assume políticas que aumentam muito mais essa pobreza.

"Primeiro-ministro assegura não ter medo de greves" - coisa que ainda é cedo para se ver... Por enquanto, sabe-se que medo só tem dos "super poderosos deuses dos mercados" e da sua sacerdotisa Angela Merkel... 


01/12/2011

Auditoria à Dívida - Precários Inflexíveis entrevistaram Éric Toussaint


Mais informação aqui.

Acordai!!!


Música: Fernando Lopes-Graça
Letra: José Gomes Ferreira

Acordai
acordai
homens que dormis
a embalar a dor
dos silêncios vis
vinde no clamor
das almas viris
arrancar a flor
que dorme na raíz

Acordai
acordai
raios e tufões
que dormis no ar
e nas multidões
vinde incendiar
de astros e canções
as pedras do mar
o mundo e os corações

Acordai
acendei
de almas e de sóis
este mar sem cais
nem luz de faróis
e acordai depois
das lutas finais
os nossos heróis
que dormem nos covais
Acordai!

Portugal, 1640 - ...


Os rapazes do tempo em que eu era rapaz, dormiam de socos e samarra, com um olho aberto e outro fechado à espera que o sol raiasse. Então, inventavam pátrias heróicas, construindo sonhos para vindouros e  melhores dias. Os quatro rapazes da minha rua  daquele tempo, transformavam-se em quarenta  gigantes de palmo e meio, empunhando espadas de madeira para derrotar  Vasconcelos de palha,  numa orgia de heroísmo volátil de fogo e fumo, onde se misturavam mosqueteiros com robins dos bosques na derradeira batalha do monte das mimosas, com paz garantida matando a sede na bica do chafariz. Hoje, os homens que foram os rapazes do tempo em que se construíam sonhos com um olho aberto e outro fechado à espera que o sol raiasse, esqueceram que algum dia tenham dormido de socos e samarra, de Vasconcelos juram nunca terem ouvido falar, e transformaram-se eles próprios nuns disneylândicos espantalhos disfarçados em Portas e Coelhos Seguros... Talvez chegue um dia, em que o tempo os honre com as distinções próprias dos bonecos de palha,  ardendo na ponta de novas e  renascidas espadas de madeira...           

25/11/2011

STOP à violência!!!

25 DE NOVEMBRO DE 1975 - A CORJA DE ONTEM É A ORIGEM DA CORJA DE HOJE


Poema de Agradecimento à Corja

Obrigado, excelências.

Obrigado por nos destruírem o sonho e a oportunidade de vivermos
felizes e em paz.
Obrigado pelo exemplo que se esforçam em nos dar de como é possível
viver sem vergonha, sem respeito e sem dignidade.
Obrigado por nos roubarem. Por não nos perguntarem nada.
Por não nos darem explicações.
Obrigado por se orgulharem de nos tirar as coisas por que lutámos e às
quais temos direito.
Obrigado por nos tirarem até o sono. E a tranquilidade. E a alegria.
Obrigado pelo cinzentismo, pela depressão, pelo desespero.
Obrigado pela vossa mediocridade.
E obrigado por aquilo que podem e não querem fazer.
Obrigado por tudo o que não sabem e fingem saber.
Obrigado por transformarem o nosso coração numa sala de espera.
Obrigado por fazerem de cada um dos nossos dias
um dia menos interessante que o anterior.
Obrigado por nos exigirem mais do que podemos dar.
Obrigado por nos darem em troca quase nada.
Obrigado por não disfarçarem a cobiça, a corrupção, a indignidade.
Pelo chocante imerecimento da vossa comodidade
e da vossa felicidade adquirida a qualquer preço.
E pelo vosso vergonhoso descaramento.
Obrigado por nos ensinarem tudo o que nunca deveremos querer, o que
nunca deveremos fazer, o que nunca deveremos aceitar.
Obrigado por serem o que são.
Obrigado por serem como são.
Para que não sejamos também assim.
E para que possamos reconhecer facilmente
quem temos de rejeitar.

Poema de Joaquim Pessoa

19/11/2011

Lugar à Música - 22





Vamos brincar à caridadezinha
Festa, canasta e boa comidinha
Vamos brincar à caridadezinha

A senhora de não sei quem
Que é de todos e de mais alguém
Passa a tarde descansada
Mastigando a torrada
Com muita pena do pobre
Coitada

Vamos brincar à caridadezinha
Festa, canasta e boa comidinha
Vamos brincar à caridadezinha

Neste mundo de instituição
Cataloga-se até o coração
Paga botas e merenda
Rouba muito mas dá prenda
E ao peito terá
Uma comenda

Vamos brincar à caridadezinha
Festa, canasta e boa comidinha
Vamos brincar à caridadezinha

O pobre no seu penar
Habitua-se a rastejar
E no campo ou na cidade
Faz da sua infelicidade
Alvo para os desportistas
Da caridade

Vamos brincar à caridadezinha
Festa, canasta e boa comidinha
Vamos brincar à caridadezinha

E nós que queremos ser irmãos
Mas nunca sujamos as mãos
É uma vida decente
Não passeio ou aguardente
O que é justo
E há-que dar a toda a gente

Não vamos brincar à caridadezinha
Festa, canasta é falsa intençãozinha
Não vamos brincar à caridadezinha
Não vamos brincar à caridadezinha
Não vamos brincar à caridadezinha

15/11/2011

O governo do Coelho rouba-nos, para pagar o QUÊ?



Iniciativa por uma Auditoria Cidadã à Dívida Pública

Convocatória para a Convenção de Lisboa
Os cortes nas mais básicas funções sociais do Estado têm sido justificados com a necessidade de financiar o pagamento da dívida pública. As medidas de austeridade afectam a vida das pessoas, que sentem no seu dia-a-dia os efeitos do empobrecimento e da degradação das condições de acesso à saúde, à educação, à habitação, ao trabalho, à justiça, à cultura e a todos os outros pilares da democracia.
Conhecer a dívida pública é, não só um direito, como uma etapa essencial para delinear estratégias de futuro para o país. Porque nem sempre todas as parcelas de uma dívida correspondem efectivamente a compromissos do Estado e nem sempre estes são legítimos. Numa auditoria à dívida, verificam-se os compromissos assumidos por um devedor, tendo em conta a sua origem, legitimidade, legalidade e sustentabilidade. Uma auditoria à dívida pública faz essa análise relativamente aos compromissos do sector público perante credores dentro e fora do país, incluindo a dívida privada garantida pelo Estado.
No início da intervenção da troika, a dívida pública portuguesa tinha ultrapassado os 90% da riqueza anual produzida no país (PIB). Em 2013, quando é suposto esta intervenção terminar, a dívida estará acima de 106% do PIB desse ano. Entretanto a produção de riqueza terá regredido para valores de há quase uma década e o desemprego situar-se-á acima dos 13%. Estas são as previsões do próprio governo. A realidade poderá ser pior. Muito dependerá da evolução da situação na Europa e no resto do Mundo.
Leia todo o texto aqui.

1 de Dezembro, 5 de Outubro e...














Os serviços de investigação do ministério da cultura do governo do coelho germanófilo, legítimo representante em Portugal da fuhrer Angela Merkel, acaba de descobrir que, afinal, os Lúsiadas foram escritos na sua versão original, em língua alemã. Assim sendo, não há motivo para continuar a usar símbolos de teor ilusoriamente nacionais, como hinos, bandeiras e datas marcadamente provocatórias para os interesses do grande e eurófilo reich. Tendo em conta o anteriormente corrigido, ficam então imediatamente suspensos os feriados de 1 de Dezembro, até há pouco tempo representativo da restauração de uma independência que nunca aconteceu e, também, de 5 de Outubro, festividade inventada pela mente doentia de meia dúzia de delirantes intelectuais, e alguns militares contagiados pelo vírus da traição. A bem do patriótico euro-deutch-banq, -Heil Fuhrer...

Tudo mesmo, e por todos os meios...

14/11/2011

Parasita - ...que come ou vive à custa de outrem; inútil; supérfluo...


Pedro Martins é - dizem -,  Secretário de Estado do Emprego. Tendo em conta que durante o tempo que leva em funções, o desemprego não pára de aumentar, considerá-lo um profissional medíocre é ser benevolente, porque é péssimo. É mais um economista e, foi até ao momento em que jurou pela sua honra exercer com lealdade as funções que lhe eram confiadas, professor de economia aplicada na universidade de Queen Mary, o que prova que o problema da qualidade (má) do ensino superior, não é só uma realidade portuguesa, antes configura a decadência da "Universidade" a nível europeu. É afilhado político de um outro economista, o ministro da economia Álvaro Santos Pereira, especialista a dizer patetices e disparates, pelo que se arrisca a ser premiado com o cognome de "ministro anedota", coisa que teria graça, não fosse a desgraça de termos que sofrer as consequências da sua incompetência. Estes dois elementos do governo da troika em Portugal, ganham mais do que merecem tendo em conta o que produzem e, uma vez que o salário mínimo no país, segundo eles, não é baixo, bom seria que dessem o exemplo e começassem a viver com  485 euros. 

13/11/2011

Ó meus caros, vamos lá por os pontos nos "is" - a lenta agonia do capitalismo ou a implosão eminente...


Se não há pior analfabeto do que o analfabeto político - como disse Bertolt Brecht -, não se podem deixar de ouvir estes 8 minutos e 58 segundos, sob pena de continuarmos cegos, neste "brilhante quanto ilusório e admirável mundo novo"...

Grandes personalidades do PSD - 2

 
Manuel Joaquim Dias Loureiro
Advogado e político português
Militante do PSD
Governador Civil do Distrito de Coimbra  de 1981 a 1983
Secretário Geral da Comissão Política Nacional do PSD, entre 1985 e 1987
Ministro dos Assuntos Parlamentares do XI Governo, 1987-1991 e, Ministro da Administração Interna  do XII Governo, 1991-1995, ambos chefiados por outro ilustre PPD/PSD - Cavaco Silva
Membro do Conselho de Estado entre 2006 e 2009.

Da sua passagem pelo (des) governo da nação, destacasse a sua obra na área da repressão, ao fazer avançar a polícia de intervenção, para desmobilizar  com toda a brutalidade possível os manifestantes da Ponte 25 de Abril, em 1994

Após a experiência adquirida nos cargos que desempenhou ao serviço de uma das partes da nação, notabilizou-se como administrador da SLN-Sociedade Lusa de Negócios, exemplo de "empreendedorismo" de sucesso, principalmente no que diz respeito à gestão do famoso BPN, que tão lucrativo resultou para alguns "notáveis" patriotas.

Mais informação aqui,  e aqui.   


"A dívida de hoje, é o roubo de ontem pela classe dominante"

"Uma auditoria cidadã vai ver o que é que dívida pública, em que é que foi gasto o nosso dinheiro até agora, como é que foi gasto, se foi gasto em prol dos cidadãos, se foi em prol de interesses privados, ou se foi, por exemplo, em atividades corruptas. Há também essa hipótese"

Movimento organiza auditoria cidadã às contas portuguesas

Um grupo de cidadãos de diversos setores anuncia, terça-feira, a realização de uma Convenção de Lisboa, onde será apresentada a comissão que fará uma auditoria cidadã à dívida pública, sendo esta a primeira iniciativa do género em Portugal.



08/11/2011

Ética, Política e Responsabilidade Social

Mas vós, mitigai em vossos peitos o duro coração,
vós, que na ambição de tantos bens vos lançastes,
à medida ajustai essa enorme avidez; pois nem nós
cederemos, nem vós bem sucedidos com isso sereis. 


05/11/2011

Se a falta de vergonha pagasse imposto, o crescimento económico do país estaria garantido

João Ribeiro - PS
É um rosto a fixar. Começam todos mais ou menos da mesma maneira. Este é mais um daqueles "boys" que a máquina fabrica, não se sabe muito bem porquê. Manda uns "bitaites", diz umas imbecilidades e aí está!., um tipo que, a não ser que as pessoas abram os olhos, corre o risco de vir a aumentar o número de cretinos que alguns portugueses acabam por transformar em "génios" da sua própria desgraça. É tudo uma questão de corte - do fato, claro -, de uns programazitos televisivos comme il faut, e a história pátria contará com mais uma anedota. Então não se está mesmo a ver que o governo da direita PSD/CDS e, aquilo a que este senhor chama de governo de esquerda, o anterior do PS, enquanto prática política são diferentes? Tão diferentes, tão diferentes que sempre se apoiam, estejam no governo ou na oposição. Aliás, o PS só não vota favoravelmente o OE porque os votos do PSD e CDS são suficientes para a sua aprovação e, vai abster-se em função daquilo a que chamam de "credibilidade nacional", como se isso fosse possível com as máfias políticas que vão governando sempre em benefício dos mesmos, sem esquecer que as suas próprias "reformas" de luxo, ficam assim garantidas. Um pouco mais de honestidade intelectual não lhe ficava mal, meu rapaz...


Cairão um dia - Hitler também caiu...



Repetem-se erros que conduziram Hitler ao poder

Ler artigo completo aqui.

02/11/2011

Do medo da Democracia à chantagem...

<p>Durão Barroso diz que o referendo na Grécia tem consequências "imprevisíveis"</p>
Aí está, o todo poderoso que nenhum europeu elegeu para o cargo que ocupa - presidente da Comissão Europeia. Olhem-no, dedo em riste, ameaçador, qual fiel dobermann dos que o nomearam - sim, nomearam pelos bons serviços prestados, fugir da pátria que o pariu, e a quem serviu deixando-a de tanga. Apreciem a soberba de quem se sabe o perfeito "trepador", de "garçon" de Bush, Blair e Aznar a símbolo do pior que esta decadente Europa pode gerar - o euro-buro-tecnocrata exemplar. Democracia? Isso é palavrão para os eleitos, não eleitos pelos povos mas entre si, pelos seus pares... Referendo? Isso é um perigo! Como podemos nós confiar na vontade popular. Destruam imediatamente essa palavra, reformem os dicionários, convençam-nos de que isso é coisa má... Mas que mania, quando é que as pessoas vão perceber que isto da democracia é para aceitarem o "melhor dos mundos possíveis" e, esse, é o que nós lhes oferecemos... Pensem nos deuses, nos bem aventurados mercados, só eles podem salvar a humanidade - se não toda, pelo menos a dos esforçados banqueiros, esses sacrificados; a dos especuladores bolsistas, esses aventureiros que se arriscam a vida inteira pelo bom nome do lucro; a dos ricos - pobres ricos, tão poucos e tão mal compreendidos pela populaça; a dos políticos que engordam no exercício das suas funções, correndo o perigo de verem aumentar o colesterol, tudo pela paz e harmonia dos governados; a dos corruptos, coitados, pois não é fácil verem o seu bom nome enxovalhado na praça pública... Democracia.., deixem-se de merdas, ah? A trabalhar, que os vossos líderes, os vossos esforçados timoneiros, estão aqui para pensar por vós e, já começam a ficar cansados de tantos sobressaltos. Vá lá, deixem-nos dormir um soninho descansados, senão?...