31/12/2010

Destaque fim de ano

Um presidente,  vários ex-ministros e secretários do dito presidente quando também era ministro - o primeiro -, e outros figurantes...
Tudo gente séria: ex-banqueiros do BPN, ex-accionistas do BPN, figurantes e figurões...
Sobre a seriedade de quem se considera duplamente sério: "Presunção e água benta, cada um toma a que quer" - adágio popular.
Sobre o roubo praticado por alguns com o possível desconhecimento de outro, ou sobre a má gestão de vários com grandes lucros para todos eles, ou ainda, como é que gente tão próxima fala tão pouco de interesses comuns: " Tão ladrão é o que vai à horta, como o que fica à porta" - adágio popular.

29/12/2010

Afinal era boato...

Foi anunciado nas TVs, nas rádios, nos jornais, anteciparam-se "panoramas" de possíveis vencedores, iria ser o debate "fundamental" para ajudar os já tão "politizados" portugueses a escolherem o próximo inquilino de Belém com renda paga pelos contribuintes, enfim!, todos aqueles exageros tão característicos nestas terras de (i)lusos- europeus- do- norte- de- África, ou do cu da Europa se preferem. Mas afinal era boato, nada de estranhar num país onde constantemente se inventam boatos sobre a corrupção, sobre o tráfico de influências, sobre a pobreza, sobre o desemprego, sobre as injustiças e desigualdades, enfim sobre todas essas coisas inventadas por uns tipos que estão sempre no contra. É bom de ver que isto por cá é um paraíso terrenal, e se não acreditam perguntem ao Dr. Dias Loureiro, ilustre ex-conselheiro de Estado, ex-administrador da SLN - Sociedade Lusa de Negócios-, ex-Ministro dos Assuntos Parlamentares e da Administração Interna nos (des)governos do amigo e não menos ilustre economista de Boliqueime Aníbal Cavaco Silva, candidato à presidência da República. Mas se por acaso têm algum tipo de preconceito cromático, e preferem o rosa ao laranja então tirem as dúvidas com o ilustríssimo Armando Vara, ex-vice-presidente do BCP, ex-Secretário de Estado, ex-Ministro Adjunto e muito amigo do celebérrimo Engº José Sócrates, famoso Primeiro Ministro que agarrou na tanga com que Durão Barroso vestiu o País, puxou, e pôs Portugal a fazer nudismo. Bom!, - com  licença  do primeiro  dessa  meia duzia de sábios nacionais, Dr. Professor Marcello ou vice-versa -, a verdade é que hoje o Dr. Manuel Alegre foi mais candidato da sua família - socialista -, do que dessa esquerda que se pretende aglutinadora de  vontades transformadoras com sensibilidade social. O debate esteve para ser, mas não passou de uma troca de galhardetes repetitivos, tão politicamente correctos e aborrecidos que, desconfio que alguns, não sei se milhares, dezenas ou centenas de milhares, mas alguns eleitores por poucos que sejam, decidiram hoje a sua orientação de voto pela negativa. Será que isto se resolve engolindo mais uns sapos? Cá por mim penso que não, porque se de facto os cavacos, os loureiros e os passos não são boa companhia, a viagem com os sócrates e os varas não é de certeza melhor.

23/12/2010

Quando um homem quiser

Ary dos Santos, Fernando Tordo, Paulo de Carvalho

Sobre o estado de muitos, o Estado de alguns - poucos -, submarinos e BPN

É véspera de Natal, "dia de ser bom" como disse António Gedeão, "dia de pensar nos outros - coitadinhos - nos que padecem...", e é por isso que não resisto a trazer aqui o artigo " Mãos Largas " de João Paulo Guerra - afixado por Carlos Medina Ribeiro no Sorumbático -, tão elucidativo de como o Estado - MUITO de poucos - e o Estado - pouco de MUITOS -, promove todos os dias a fraternidade universal. 

22/12/2010

ESQUERDA.NET lança Wikifugas

Em Portugal o Esquerda.Net mostra o caminho para a defesa da Liberdade de Expressão. Depois de numa primeira atitude ter instalado um "espelho" do site do WikiLeaks, lança agora o seu próprio site Wikifugas, "totalmente dedicado à divulgação" das matérias mais relevantes que nos possam chegar  via "Cablegate". Pode lêr mais aqui sobre este tema, podendo aínda aceder a várias hiperligações de interesse relevante. Parabéns.

Como é Natal, "mais uma ajudinha" para o BPN, vá lá... Só mais 500 milhõezinhos... Não custa nada, pois não?..

21/12/2010

Crise? Qual crise?

Crise? Qual crise? Funde um BPN, viaje para uma ilha exótica, e espere. O governo ajuda, o povo paga, e você será o feliz contemplado do melhor dos mundos possíveis. FANTÁSTICO!

19/12/2010

James Petras: História de Natal - Maria e José na Palestina 2010

Michael Moore e a Wikileaks

Michael Moore é americano dos EUA. Michael Moore, ao contrário de José Manuel Fernandes que não é americano, é intelectualmente honesto quando realiza os seus filmes e documentários, ou quando escreve os seus artigos, sejam eles temáticos ou de opinião. Michael Moore, como americano de espírito livre  é mordaz na crítica, corrosivo até no humor, e não tem necessidade como JMF e outros escribas de inutilidades óbvias, de lamber as botas e dar graxa a nenhum poder político ou económico dominante. Michael Moore, que não consta que tenha sido alguma vez da UDP ou do PCP- ML, não faz nada para cair nas boas graças de nenhum senhor ou amo neo-liberal, nem para defender as "virtudes" do fundamentalismo dos mercados, nem para desinformar com eufemismos inúteis ou omissões conscientes, sobre o que quer que seja que ache legítimo ser do conhecimento público. Michael Moore é solidário com a WikiLeaks porque sabe o significado da Liberdade de Expressão sem a qual não há Liberdade de Imprensa, e porque a ética não é compatível com a censura.

05/12/2010

Barack Obama - o negro mais branco dos EUA

Eleito como o quadragésimo quarto (44º) presidente dos EUA há quase dois anos - 20 de Janeiro de 2009 -, e sendo o 1º afro-americano a sentar-se na Casa Branca, Barack Obama tornou-se uma espécie de esperança para milhões de seres humanos, que quiseram ver no ex-líder comunitário e advogado na defesa dos direitos civis, o presidente que iria humanizar o império mais agressivo dos tempos modernos. O começo foi animador, com concertos, fogo de artifício, e até os sorrisos abertos nos semblantes de analistas, comentadores e um sem fim de cinzentos conservadores do mundo ocidental - Portugal incluído -, já cansados dos becos sem saída em que  o "demiurgo guerreiro" do passado recente, George W. Bush, os tinha metido na sua cruzada imparável na perseguição do petróleo, tão necessário para saciar a fome e a sede dos deuses, santos, apóstolos e crentes das catedrais de Wall Street. Também muitos dos  tradicionais anti-americanos e os históricos cépticos foram bafejados pelos novos hálitos, e o primeiro milagre aconteceu - já não era pecado a cor da pele, estavam ultrapassados os mais primários preconceitos raciais. Se até um dos reis magos que adoraram o "menino" de Belén era negro, porque não havia de sê-lo o imperador do séc. XXI? A Paz tão desejada via-se já ao dobrar da esquina, seriam fechadas as prisões onde se torturavam os adversários "inimigos", seriam defendidos os direitos humanos, intocáveis os princípios democráticos, etc. etc etc... Mas, passados estes quase dois anos de mandato Obama, o mundo não está melhor. A guerra do Afganistão continua a alimentar as empresas de armamento e os falcões do Pentágono e acólitos, Guantánamo continua a ser o macabro retrato do sistema, e quanto à democracia, no Iraque continua a não passar de uma miragem e, nos EUA - esse baluarte da liberdade de expressão -, proíbe-se o acesso dos funcionários da Casa Branca ao WikiLeaks, fabricam-se campanhas de descrédito sobre os membros do site, e persegue-se o seu fundador Julian Assange, por ter cometido o "crime" de nos mostrar milhares de  verdades "inconvenientes". Afinal, Barack Obama não é muito diferente dos seus antecessores, talvez o único traço que o distinga dos outros, seja o facto de ser o negro mais branco da América.


01/12/2010

1º de Dezembro

Muita água passou debaixo das pontes desde aquele 1º de Dezembro de 1640. Naquele tempo - há 370 anos -, Portugal confrontou-se como hoje se confronta com  o significado do conceito de "independência nacional". Não vou perder-me em considerações patrioteiras de hinos e bandeiras, que geralmente pouco têm que ver com a real auto-determinação dos povos e a autonomia dos cidadãos que os compõem, mas com a crua realidade que lhes molda a(s) vida(s). Se ontem era o domínio da "pátria", pela monarquia filipina da parente próxima Espanha, hoje é a subjugação da ideia de soberania frente ao poder sem limites de uma UE neo-liberal, dominada por uma trupe de especuladores sem escrúpulos, que atormenta a vida dos portugueses de aqui, e dos portugueses/irlandeses, portugueses/gregos, portugueses/espanhóis e quem sabe quantos mais portugueses qualquer/coisa de sabe-se lá de onde... O Miguel de Vasconcelos de 1640, pode encontrar-se hoje mais ou menos disfarçado nos trajes/uniformes de 1ºs ministros, candidatos a 1ºs ministros, ministros e secretários, banqueiros, gestores, intelectuais, economistas - muitos-, fazedores de opinião, jornalistas obedientes  sem atitude ou capacidade crítica, e um longo etc. de oportunistas que com os anteriormente citados formam um autêntico exército de apóstolos das rançosas teorias de Milton Friedman, e para quem os outros, a maioria - gente comum que todos os dias trabalha, sofre e luta -, não passam de números estatísticos ou indiferenciados indiferentes. Parafraseando Almada Negreiros, "Portugal tem de ser qualquer coisa de asseado", portanto, hoje precisam-se  milhões de "conjurados" que façam urgentemente a limpeza do "meio ambiente" nacional", ou  o risco de que aterre na Portela o lixo processado em Bruxelas, com as suas novas/velhas teorias e vontades esclavagistas, passará de possibilidade a evidência, como se pode verificar no site,