29/10/2007

Quisera Adormecer

Quisera adormecer
como a criança acorda,
à beira de outro tempo, que é o nosso.
Só quero o que não posso.

(Jorge de Sena)

25/10/2007

Talvez sobre o Tratado de Lisboa...?

Hoje blá blá blá, dia históric de blá blá, porque blá blá de blá. Quero blá blá, a todos os euroblá, que blá blá de blá, uma vez que blá também blá blá blá. Obrigadblá.
- Porreiro, pá!
Anda em capa de letrado,
muito asno disfarçado.
(Adágio popular)






24/10/2007

Apontamentos

2- Segundo os últimos dados facultados pela ONU para assinalar o DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO, este ano sob o lema "O DIREITO À ALIMENTAÇÃO", actualmente 14% da população mundial sofre de fome ou insegurança alimentar. Quer dizer: todas as noites, 854 milhões de pessoas vão para a cama de estômago vazio e, destas, 16 mil crianças morrem todos os dias de fome ou problemas a ela associados, isto apesar de nos últimos trinta anos se produzirem 17% mais de calorias por pessoa, tendo já em conta o aumento da população mundial nesse mesmo período. Enfim!, façanhas da GLOBALIZAÇÃO ECONÓMICA NEO-LIBERAL.
...eles comem tudo, eles comem tudo,
eles comem tudo e não deixam nada...
"A globalização económica é totalmente anti-democrática. (...) A abismal desigualdade entre a minoria globalizadora e a multidão dependente, aparece em quaisquer estatísticas oferecidas pelos mais sérios organismos internacionais que, ademais, nos mostram o crescimento progressivo das desigualdades. Para lhe dar prestígio, querem apresentar-nos a globalização como uma estrutura social muito moderna e sem precedentes, alcançada como mais um dos frutos do progresso, mas a verdade é que o poder procurou sempre a exploração dos seus súbditos, umas vezes pela força e, outras vezes, mediante formas semelhantes às actuais, usando os meios técnicos de cada momento. (...) Quando agora, (e já) desde a reunião internacional de Lisboa no ano 2000, se nos repete que vivemos numa NOVA ECONOMIA (cuja novidade fundamental consiste unicamente no crescente emprego da Internet), está-se dizendo uma coisa tão obscena como afirmar que a Santa Inquisição Cristã teria sido NOVA, distinta e conveniente para todos se, para queimar os hereges, tivesse usado a cadeira eléctrica em vez da fogueira de lenha."
( José Luis Sampedro, economista e escritor, Catedrático de Estrutura Económica e membro da Real Academia Espanhola, in "O MERCADO E A GLOBALIZAÇÃO)

A Portugal

Esta é a ditosa pátria minha amada. Não.
Nem é ditosa, porque o não merece.
Nem minha amada, porque é só madrasta.
Nem pátria minha, porque eu não mereço
A pouca sorte de ter nascido nela.

Nada me prende ou liga a uma baixeza tanta
quanto esse arroto de passadas glórias.
Amigos meus mais caros tenho nela,
saudasamente nela, mas amigos são
por serem meus amigos, e mais nada.

Torpe dejecto de romano império;
babugem de invasões; salsugem porca
de esgoto atlântico; irrisória face
de lama, de cobiça e de vileza,
de mesquinhez, de fátua ignorância;
terra de escravos, cu pró ar ouvindo
ranger no nevoeiro a nau do Encoberto;
terra de funcionários e de prostitutas,
devotos todos do milagre, castos
nas horas vagas de doença oculta;
terra de heróis a peso de ouro e sangue,
e santos com balcão de secos e molhados,
no fundo da virtude; terra triste
à luz do sol calada, arrebicada, pulha,
cheia de afáveis para os estrangeiros
que deixam moedas e transportam pulgas,
oh pulgas lusitanas, pela Europa;
terra de monumentos em que o povo
assina a merda o seu anonimato;
terra-museu em que se vive ainda
com porcos pela rua, em casas celtiberas;
terra de poetas tão sentimentais
que o cheiro de um sovaco os põe em transe;
terra de pedras esburgadas, secas
como esses sentimentos de oito séculos
de roubos e patrões, barões ou condes;
ó terra de ninguém, ninguém, ninguém:
eu te pertenço. És cabra, és badalhoca,
és mais que cachorra pelo cio,
és peste e fome e guerra e dor de coração.
Eu te pertenço, mas seres minha, não!


(Jorge de Sena)

23/10/2007

Apontamentos

1 - Em Portugal existem dois milhões de pobres, cerca de 20% da população.

" A Nova Ordem Mundial é sustentada pela pobreza humana e a destruição do ambiente."
(Michel Chossudovsky, professor de Economia na Universidade de Ottawa (Canadá), in A Globalização da Pobreza)

O GRITO - Edward Munch


17/10/2007

Memória de Adriano

Nas tuas mãos tomaste uma guitarra
Copo de vinho de alegria sã
Sangria de suor e cigarra
Que à noite canta a festa da manhã

Foste sempre o cantor que não se agarra
O que à Terra chamou amante e irmã
Mas também o português que investe e marra
Voz de alaúde e rosto de maçã

O teu coração de ouro veio do Douro
Num barco de vindimas de cantigas
Tão generoso como a liberdade.

Resta de ti a ilha de um tesouro
A jóia com as pedras mais antigas.
Não é saudade, não! É amizade.

(José Carlos Ary dos Santos)

16/10/2007


Memória de Adriano

Vinte e cinco anos depois do teu desaparecimento, neste tempo de novos ricos e cada vez mais novos pobres, recordar a tua voz de resistência e o teu canto de liberdade e insubmissão, é ganhar fôlego para continuarmos, para nos inventarmos insónia e pesadelo dos canalhas.